EM DÓLAR: Militares brasileiros recebem supersalários no exterior de até R$ 370 mil

Coronéis e capitães de mar a guerra brasileiros recebem benefícios fora do país; o salário médio da categoria é de R$ 22 mil no Brasil

EM DÓLAR: Militares brasileiros recebem supersalários no exterior de até R$ 370 mil

Foto: Divulgação

 

ECONOMIA.IG - Adidos militares, que são integrantes das  Forças Armadas do Brasil que trabalham com a diplomacia brasileira no exterior, recebem supersalários de até R$ 370 mil. É o que mostrou a coluna de Lúcio Vaz, da Gazeta do Povo, no domingo (8).

 
Recebendo em dólar, os adidos militares brasileiros  podem obter até R$ 370 mil em um mês. A renda mensal fixa chega a R$ 137 mil, incluindo a verba de representação e outras indenizações. Esses supersalários não são destinados os dos generais, mas sim para os coronéis e capitães de mar a guerra, que têm salário médio de R$ 22 mil no Brasil. Já os auxiliares de adidos, suboficiais e subtenentes, que têm renda de R$ 12 mil no país, recebem até R$ 55 mil no exterior.
 
Eles recebem uma indenização de representação no exterior (Irex), que pode chegar ao valor de R$ 30 mil. A Irex é calculada com base no custo de vida de cada país, para compensar despesas próprias da missão. A idenização é como um salário extra, porque não há prestação de contas dessas despesas. Além dela, há várias outras indenizações, como auxílio-moradia e auxílio-familiar, além do transporte e mudança – que são pagos na instalação no cargo e no retorno ao país.
 
A coluna do jornal revelou alguns dos maiores salários dos militares brasileiros que trabalham no exterior. Um dos citados foi o capitão de mar e guerra Alfred Dombrow, que deixou o cargo de adjunto do adido militar nos Estados Unidos e no Canadá no mês de julho. Em junho, Dombrow recebeu remuneração básica de US$ 8,3 mil, mais US$ 16,3 mil de remunerações eventuais e US$ 5,5 mil de 13º salário. Mais US$ 36,2 mil foram de indenizações, totalizando um salário de US$ 66,3 mil – o equivalente a R$ 368 mil.
 
Outro exemplo é do coronel do Exército, Guilherme Langaro Bernardes. Ele é adido militar em Nova Delhi, na Índia e tem salário de US$ 10,6 mil – o equivalente a R$ 58,9 mil, superior ao teto remuneratório constitucional e quase o dobro do salário do presidente da República. Além do valor fixo, Bernarder recebe também mais US$ 14 mil em verbas indenizatórias, totalizando US$ 24,7 mil, ou R$ 137 mil.
 
Os militares no exterior recebem auxílios:  auxílio-familiar atende à manutenção e às despesas de educação e assistência a seus dependentes no exterior, sendo calculado com base na Irex à razão de 10% para a esposa e 5% para cada dependente, incluindo filho menor, filha solteira e mãe viúva, ambas sem remuneração, enteados, adotivos, tutelados e curatelados; já o auxílio-moradia é pago para custeio de locação de residência, desde que não exista imóvel funcional disponível na sede no exterior, na forma de ressarcimento por despesa comprovada pelo servidor.
 
O colunista obteve resposta da Associação dos Diplomatas Brasileiros, que afirmou: “Irex é indenização. Não há contas a prestar, deve ser interpretada como parte do salário. Educação dos filhos entra nessas despesas, o aluguel não coberto pela RF, comida, despesas médicas, por exemplo”. A Associação disse também que almoços e jantares de trabalho “são parte fundamental da articulação com outros representantes de Estado, assim como também se pratica na iniciativa privada”.
 
 
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS