BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

EM DOIS MESES: Número de municípios brasileiros com casos de covid-19 cresceu 1.225%

Tragédia anunciada por especialistas, a doença alastra-se rapidamente pelas pequenas localidades, despreparadas para lidar com a pandemia

CORREIO BRAZILIENSE

31 de Maio de 2020 às 11:44

Atualizada em : 01 de Junho de 2020 às 14:50

Foto: Divulgação

Sem ser visto, o vírus mais comentado da atualidade se alastra pelos quatro cantos do Brasil. Considerado o epicentro da covid-19 na América Latina pela Organização Mundial da Saúde, o segundo país com maior número de casos tem dimensões continentais e não consegue concentrar a doença nas grandes metrópoles.

 

 

Descontrolada, a pandemia avança para municípios pequenos e despreparados para lidar com sua complexidade. A tendência de interiorização do vírus no Brasil, vista como uma “realidade” pelo Ministério da Saúde, pode ser percebida pelo aumento de municípios que registraram casos no país. Em dois meses, esse número cresceu 1.225%.



Em 28 de março, apenas 297 cidades haviam confirmado casos da covid-19. Dois meses depois, mais 3.639 municípios registraram infectados. Com isso, até a última quinta-feira, 3.936 cidades brasileiras identificaram, pelo menos, um diagnóstico positivo de covid-19, sendo que a maioria desses municípios, 2.855, tem de dois a 100 infectados. Os dados são do Ministério da Saúde.

 

 

 

 

O secretário substituto de Vigilância em Saúde, Eduardo Macário, afirma que “a interiorização é uma realidade no Brasil, mas ela não é igual em todo o país. Há casos que foram identificados em alguns municípios em bem menor proporção e que rapidamente foram identificados. Isso é fundamental para evitar que ocorram surtos nessas localidades”, explica.

 


Na avaliação do professor do departamento de epidemiologia da Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), Eliseu Alves Waldman, a interiorização é uma tendência das doenças respiratórias.

 

 

“É a trajetória normal do aumento de outras doenças respiratórias. A influenza, por exemplo, acomete boa parte da população das cidades maiores até os menores municípios em intensidade diferente”, destaca. Ele explica que a doença atingirá os municípios que ficam mais próximos das áreas metropolitanas e aqueles que têm atividade econômica mais intensa e intercâmbio com os grandes centros.

 


“As cidades do interior têm atividade econômica e têm contato com a cidade polo. A doença caminha onde trilha o homem”. O epidemiologista e professor do departamento de saúde coletiva da Universidade de Brasília (UnB), Jonas Brant, acredita que a covid busca municípios de acordo com a sua atividade econômica e relações interpessoais.

 

 

“Não está relacionado, necessariamente, a distância em quilômetros das grandes cidades. Esses municípios vão recebendo sequenciamento devido à relação econômica com os grandes polos”, ressalta.

 


Há um mês, estudos indicavam a interiorização do novo coronavírus no país. Dois estudos da Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho (Unesp) deram base para um alerta feito pelo governo estadual de São Paulo, em 28 de abril, sobre o assunto. O estudo coordenado pelo professor Carlos Magno Fortaleza conclui que já havia uma difusão evidente da pandemia para o interior.

 

 

“Até a presente data, dois terços dos casos confirmados da covid-19 no estado de São Paulo ocorreram na capital. Isso criou uma sensação de segurança nas cidades do interior, com autoridades locais questionando as medidas de distanciamento social”, diz um trecho do estudo.

 

 

Na data, das 645 cidades do estado, 305 já tinham identificado, pelo menos, um caso da doença. O número cresceu e até essa sexta-feira, 522 municípios registraram casos, ou seja, 80,9% de todas as cidades de São Paulo já identificaram infectados.



Macário analisa a caminhada do vírus rumo ao interior do estado paulista. “Quando observamos a região metropolitana de São Paulo, percebemos que o aumento não acontece de forma tão pronunciada como no restante do estado. Então, embora nós entendamos que essa região tenha um grande número de casos notificados, temos observado cada vez mais uma interiorização da doença. Vendo novas cidades litorâneas e cidades do interior diagnosticando casos”, afirmou o secretário, em coletiva de imprensa, na última terça-feira.

 

 

Apesar da preocupação, o secretário acredita que a resposta dos gestores municipais está sendo “adequada”. 

 


 Contenção 

Os especialistas, no entanto, veem a situação com preocupação. Para Brant, se as medidas de saúde pública tivessem sido adotadas antes, a rápida interiorização seria evitável.

 

 

“Não falo só do isolamento social, mas de medidas de apoio social, como auxílios emergenciais, que garantem que a população mais vulnerável possa ficar em casa. O Brasil não consegue implementar essas medidas na velocidade necessária. Quando consegue implementar, já é tarde”, avalia.

 

 

O secretário da pasta de Saúde explica que as características da doença tornam ainda mais difícil uma suspensão da transmissão.

 

 

“O fato de ter um grande percentual de pessoas que não vai desenvolver sintomas ou desenvolver sintomas muito leves torna muito difícil a realização de ações visando a interrupção da transmissão”, pontua. Para o professor Waldman, um dos principais obstáculos para barrar o avanço da covid-19 é a falta de um consenso nacional em relação às medidas de combate à doença.

 


 “Acho que se a gente tivesse alcançado um consenso já no início do processo, evidentemente as coisas seriam menos complexas. Para você conseguir o amplo apoio de uma sociedade tão heterogênea como a do Brasil, todas as lideranças têm que falar uma única linguagem”, destaca. Sem uma concordância, as dificuldades serão crescentes, de acordo com o especialista.

 

“Enquanto a gente não tiver isso, nós enfrentaremos dificuldades que são crescentes porque esses pequenos municípios não têm unidades de terapia intensiva (UTIs), então vão ter que encaminhar pacientes para cidades maiores. E algumas já estão com seus recursos em nível crítico”, indica Waldman.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS