BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

FORTALECIMENTO: Veja cinco previsões otimistas para o agronegócio brasileiro em 2020

O Brasil deve se fortalecer no mercado internacional como um fornecedor de alimentos confiável e competitivo e, no mercado interno, o financiamento rural mais acessível deve ditar o ritmo do agro neste ano

canal rural

06 de Janeiro de 2020 às 16:46

Foto: Divulgação

Não considero arriscado fazer projeções sobre a vida dos agricultores.  Sou daqueles que centra a análise na evolução estrutural do mercado e da geopolítica mundial e brasileira. Vejo o mercado interno e externo apontando em direção relativamente previsível e, no geral, favorável. Teremos mais um ano de exportações altas e aumento no consumo interno de alimentos. 

 

Alguns segmentos da agricultura brasileira prosseguirão com as dificuldades conhecidas, tais como o arrozeiro, a pequena e média produção de leite, o trigo e outros. E todos prejudicados pelo decantado “Custo Brasil”, o qual, também terá pouca mudança. Errarei se houver aumento em consequência do rompimento do Convênio 100 e perda dos incentivos da Lei Kandir.

 

Fatos imprevisíveis sempre ocorrem, inclusive climáticos e conflitos comerciais, é claro, mas, não devem ser fortes ao ponto de alterar cinco boas previsões fundamentais para o agro:

 

  1.   Fundamentos da economia melhores que nos anos anteriores. Previsão de expansão do PIB de 2,3%, risco Brasil na faixa de 120 pontos, inflação dentro da meta e déficit público diminuído de 169 bilhões para 124 bilhões e sob gestão austera e responsável;
  2.   Mercado mundial de alimentos demandante, especialmente por parte de uma rica Ásia que vive uma crise de segurança alimentar, desencadeada por súbita e desastrosa peste suína africana (que ainda repercutirá por pelo menos mais quatro anos), num mercado demandante de proteína vegetal e animal. Além da Ásia, o Oriente Médio continuará fazendo o que sempre fez, importando muita comida;

     

  3.  A imagem e o papel do Brasil continuarão se fortalecendo como fornecedor estável, confiável, e competitivo de alimentos saudáveis (com novos recordes para carne bovina e suína, soja e milho) para mais de 1,2 bilhão de pessoas, além de algodão, café, celulose e couros, numa posição invejável (e pouco reconhecida) no combate ao desabastecimento e à inflação;
  1. Cenário geopolítico nacional relativamente estável, e que continuará aprovando reformas indispensáveis, como a Tributária e a da Reforma Administrativa, a MP Agro e a Regularização Fundiária;
  2.   Financiamento rural com encargos financeiros baixos e seguro rural com 1 bilhão de orçamento para reduzir risco de mais do que o dobro do atual número de agricultores protegidos. E, se aprovada a MP do Agro, uma torrente de investimentos externos no agronegócio, o que abrirá brechas no oligopólio dos bancos e diminuição da burocracia onerosa;

 

Otimista ? Sim, mas sem exagero, porque trata-se de uma agricultura e um agronegócio que são a joia da coroa nacional. Aliás, é por isso que a área cultivada com soja continua crescendo anualmente na faixa de 2,4% ao ano, que passamos de importador de milho e algodão para segundo e terceiro maior exportador mundial, que continuamos imbatíveis na competitividade em proteína animal, café e açúcar. E porque a inovação tecnológica no processo de produção e de gestão avançam ininterruptamente promovida pelo setor privado.

 

Então está tudo bem ? Não para todos. Alguns setores do agro vêm empurrando crises com a barriga, preocupa os sintomas de endividamento em certos segmentos e regiões, e dificuldade de inserção no mercado por parte de pequenos produtores. Isso também vem de longe, e, infelizmente, pode-se prever que vai continuar.

 

O que não arrisco prever é se haverá substancial mudança na imagem da agricultura, injustamente prejudicada, no Brasil e no exterior, pelo achismo de palpiteiros que desprezam ou ignoram a ciência. Porém, confio que as lideranças do agro reformularão sua comunicação para melhor junto ao público urbano que desconhece o que consome e como é produzido. 

 

E lá se vai a locomotiva que empurra a economia brasileira, avançando em mais um bom ano. 

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS