BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

COLUNA SELMO VASCONCELLOS

COLUNA

13 de Dezembro de 2019 às 14:15

 

712 ENTREVISTAS REALIZADAS NO PERÍODO de 2009 a 2019 (impossível atualizá-las).

 

ENTREVISTA HISTÓRICA 002.

 

REGINA LYRA – João Pessoa, PB.
002 – 30 de JANEIRO de 2009.

Regina Lyra nasceu na cidade de João Pessoa, capital do Estado da Paraíba, onde fez seus estudos de primeiro e segundo graus. As raízes da família estão plantadas na cidade de Areia. Pelo lado paterno, Brito Lyra; pelo materno, Leal e Almeida. Bacharelou-se pela Universidade Federal da Paraíba, no Curso de Administração. Realizou Curso de Pós-Graduação pela Universidade Federal de Minas Gerais, defendeu sua dissertação de Mestrado, na Área de Administração de Recursos Humanos pela Universidade Federal da Paraíba. Sua vida profissional tem sido dedicada ao magistério na Universidade. Tanto no curso de graduação quanto na pós-graduação, desenvolveu em seus alunos o espírito crítico e analítico, além de escrever artigos, publicados em revistas especializadas e em anais de encontros nacionais e internacionais. Exerceu ainda alguns cargos na Administração Universitária, tais como: Chefe e Sub-Chefe do Departamento de Administração; Assessora de Extensão do Centro de Ciências Sociais Aplicadas, onde desenvolveu alguns projetos e escreveu artigos acadêmicos. Assessora de Extensão do Departamento de Administração, desenvolveu vários seminários, fóruns, encontros acadêmicos, ciclo de palestras, etc. Também foi Vice-Diretora do Centro de Ciências Sociais Aplicadas, por um período de quatro anos. Além da dedicação ao magistério, exerceu o cargo de Coordenadora do Curso de Administração. Coordenou também projetos de pesquisa aprovados pela UFPB, e CNPq. Orientou estudantes para serem pesquisadores, e também, no nível de monitoria. Portanto, além da dedicação à docência, escreveu textos ligados à área de administração e a questões mais amplas da área acadêmica, como a pesquisa, o ensino e a extensão.
Desde criança, demonstrou interesse pela leitura. O mundo de Monteiro Lobato a fascinava. Também desenvolveu o gosto pela poesia. Vinícius de Moraes, Carlos Drummond de Andrade, Manuel Bandeira, Fernando Pessoa e Pablo Neruda foram suas primeiras leituras.
Sempre teve facilidade de colocar no papel os seus sentimentos, fossem de dor, carinho, protesto ou amor. A percepção do sentir fazia com que descrevesse poeticamente o cotidiano. A sensibilidade lhe aflora à pele, faz da caneta sua grande companheira; e a folha, sem vida, toma a dinâmica que transforma a letra morta em poesia. Faz parte do seu eu colocar no papel o seu sentimento, bem como, o sentimento que observa nos outros e na sociedade. A leitura do cotidiano também lhe encanta e lhe faz escrever poemas.
Sua obra traz como característica a procura persistente pelo contexto poético, pela leitura do seu tempo. Contém uma temática voltada para uma poesia lírica, sem deixar de trabalhar outros temas. Embora discursiva moderna, utiliza alguns aspectos do concretismo, do neoconcretismo e do minimalismo. Enfim, traça o seu próprio caminho poético. Sua busca incansável dos seus eus permeia diversidades de espaços. Assim, sua obra transcende a área geográfica do seu Estado, conquistando leitores e admiradores nas grandes cidades do País. Regina Lyra constrói poemas com uma linguagem contemporânea, de seu tempo, de sua história. Este é um dos papéis da sua arte. Com um grito amoroso de protesto social, busca o comprometimento com seu povo e a análise crítica do mundo.
Outra característica da Autora é o espírito culturalmente participativo, que leva Regina Lyra a ser sócia da UBE – União Brasileira de Escritores e também da REBRA – Rede de Escritoras Brasileiras.
Em outubro de 2007, é eleita Membro Titular do Pen Clube do Brasil. Toma posse em dezembro do mesmo ano. Para Regina Lyra, tornar-se Membro Titular do Pen Clube do Brasil é um momento histórico em sua caminhada literária, ao mesmo tempo, um ato de reconhecimento ao seu trabalho na literatura contemporânea.
Sua trajetória em livro se inicia em 1998, quando, incentivada por poetas, críticos, familiares e amigos, conhecedores do seu trabalho, publicou: O Livro das Emoções,1998, textos de uma vida inteira, pois desde a adolescência já escrevia poesias. Em 2000, Sonho & Fantasias. Em 2003 Insensatas Palavras. Tempo de Encanto, 2004. Atos em Arte, 2006. Publicou em 2008 Entre_Nós.
Participou de várias antologias ao longo destes 11 anos de intensa atividade literária.

SELMO - Quais as suas outras atividades, além de escrever ?
REGINA - Sou professora da Universidade Federal da Paraíba, pesquisadora.


SELMO - Como surgiu seu interesse literário ?
REGINA - Desde criança escrevia. No início do ano de1998 reuni cerca de duzentos poemas e levei para críticos literários lerem os poemas, recebi o aval e comecei a trabalhar na minha primeira publicação.

SELMO - Quantos e quais os seus livros publicados dentro e fora do País ?
REGINA -
O Livro das Emoções. João Pessoa: Ed. Universitária (UFPB), 1998.
Sonhos & Fantasias. João Pessoa: Ed. Universitária (UFPB), 2000.
Insensatas Palavras. João Pessoa: Ed. Universitária (UFPB), 2003.
Tempo de Encanto. João Pessoa: Ed. Universitária (UFPB), 2004.
Atos em Arte. São Paulo: Ed. Scortecci, 2006.
Entre_Nós. João Pessoa: Ed. Universitária (UFPB), 2008.
E participação em quase 20 Antologias.Fora do país não tenho livro traduzido, ainda.

SELMO - Qual a atmosfera propicia aos seus impactos literários ?
REGINA - Escrevo em casa, tenho disciplina e horário de trabalho. Sento-me no meu gabinete e determino a temática para aquele dia. Caso esteja viajando, ocorre com frequência, levo comigo o note book para não perder tempo. Minha produção é muito grande. Se estou na rua e algo chama minha atenção faço uma anotação e ao chegar no lugar onde estiver desenvolvo o que iniciei. Um bloco está sempre dentro da minha bolsa.


SELMO - Quais os escritores que você admira ?
REGINA - Poetas do século XX, gosto muito de Murilo Mendes, Manuel Bandeira, Carlos Drummond de Andrade, Fernando Pessoa, Pablo Neruda, Cecília Meireles, entre outros.
Escritores do século XX, gosto de: Machado de Assis, Guimarães Rosas, José Lins o Rêgo, entre outros.

SELMO - Qual mensagem de incentivo você daria para os novos poetas ?
REGINA - Jovens poetas, é necessário saber se realmente são poetas. Escrever poesia muita gente o faz, ser poeta já é um pouco diferente. Esta é a primeira definição. Daí em diante é ser determinado, estudioso e correr atrás.

www.reginalyra.net
http://penclubedobrasil.sites.uol.com.br/
http://www.secrel.com.br/jpoesia/reginalyra.html
http://www.ube.org.br/home.php
http://www.rebra.org
http://www.movimentopoetrix.com
http://www.rauldeleoni.org/academia/regina_lyra.html
http://www.algoadizer.com.br/site/exibirEdicao.aspx?MATERIA=171

POESIAS


AMIGO

Regina Lyra

Para Selmo Vasconcelos

Através dos versos,
Descobrimos o nexo
Da criação.

Mesmo que seja experiência
De uma vida,
Erramos demais.

O bom é a acolhida,
Na certeza de amizades profícuas.
Dentre elas, encontro a tua mão.

***
ESCURECEU AQUELA MANHÃ...

Naquela manhã de novembro
perspectiva de ir embora,
arrumar malas,
despedidas...
Vistoria na casa em agonia...

Naquela manhã de novembro...
Para trás tudo ficara,
não sabia se seria capaz
concluir o inimaginável,
comprar carta de alforria...

Sem olhar para trás,
naquela manhã de novembro,
clareava a madrugada
amanhecia o dia...
Escureceu aquela manhã...
Por vários dias...
***
FLORES EXTINTAS

Visita aos mortos!
Mórbido ato de viver...
Paradoxo ato da vida e morte,
atitudes maniqueístas,
levar flores, enfeites...
Mausoléus de granito.

Os mortos nunca estiveram lá!
Seus corpos sem vida,
Ente querido agora inexiste...
Flores extintas.

Lembranças, saudades
não são enterradas,
parte da vida...

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS