BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

PRIMEIRO SEMESTRE: Voos transportaram quase 22 milhões de passageiros a menos

O que ilustra os impactos da pandemia de Covid-19 no setor

MERCADO E EVENTOS

21 de Julho de 2020 às 14:44

Foto: Divulgação

 

MERCADO E EVENTOS - A aviação comercial brasileira fechou o primeiro semestre de 2020 com uma queda acumulada de 45,7% na demanda de passageiros e de 44,1% na oferta, o que ilustra os impactos da pandemia de Covid-19 no setor. Ao todo foram transportados 23,7 milhões de passageiros na primeira metade do ano. No mesmo período do ano passado, o País tinha somado 45,5 milhões de passageiros, 21,8 milhões a mais que o registrado entre janeiro e junho de 2020.
 
Os índices são os piores dos últimos 20 anos, de acordo com a base de dados da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Somente em junho, foi registrada uma queda de 85% na demanda e 83,6% na oferta, em comparação com junho de 2019. Apesar de retração considerável na comparação anual, os números mostram uma melhora na comparação com maio quando houve queda de 91% na demanda e 83,6% na oferta, e abril (-93,1% e -91,4%).
 
Dados junho Anac
 
Mercado internacional
 
Além da diminuição da oferta de voos, mencionada como impacto nos dados domésticos, o fechamento de algumas fronteiras também foi fator determinante nos dados do setor, sendo este especificamente no escopo do mercado internacional. Em junho, a demanda internacional caiu 95,4% e a oferta 89,3%, comparando-se com junho de 2019. Maio e abril também apresentaram dados de queda brusca, acima de 90% em relação ao ano passado. No ano, a queda na demanda internacional já soma 54,6%.
 
Market share
 
Pelo segundo mês consecutivo, a Azul liderou o market share doméstico, com uma participação de 39%, seguida por Gol (37%) e Latam (23,9%). Na liderança, a Azul foi a que registrou as menores reduções de demanda e oferta na comparação com junho de 2019 (-76,9% e -75%, respectivamente). A Gol reduziu 86,1% na demanda e 85,3% na oferta, enquanto a Latam reduziu 89,5% na demanda e 87,7% na oferta.
 
 
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS