BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

DINHEIRO NO SACO: População aguarda resposta da ALE/RO sobre destino do mandato de Lebrão

Lebrão é deputado estadual desde 2009 e recebeu 20.357 votos na última eleição

Rondoniaovivo - João Paulo Prudêncio

16 de Outubro de 2020 às 09:47

Atualizada em : 18 de Outubro de 2020 às 10:36

Foto: Divulgação

Filmado, apontado e denunciado pela Polícia Federal por integrar um esquema de recebimento de propina envolvendo quatro prefeituras do interior de Rondônia, o deputado estadual José Lebrão, segue participando das sessões plenárias e interagindo com seus pares como se nada houvesse acontecido. 
 
Os registos de frequência da ALE/RO indicam que Lebrão esteve presente nas últimas sessões ordinárias, aliás, no quesito frequência o deputado filmado colocando dinheiro de propina em um saco de lixo está entre os melhores do parlamento. 
 
Até o momento mais de seis pedidos de cassação do mandato de Lebrão já foram impetrados na ALE/RO e aguardam os devidos encaminhamentos, porém, nenhum deles foi lido pela mesa diretora. 
 
De acordo com o delegado da Polícia Federal, Flori Júnior, responsável pela deflagração da operação Reciclagem, Lebrão apenas não está preso por conta de seu gozo do Foro Privilegiado, já que as provas coletadas seriam mais do que suficiente para prender qualquer cidadão comum.
 
Na Casa de Leis o constrangimento é evidente, porém, o fato é que muitos que estão lá nessa legislatura sequer haviam vencido uma eleição quando Lebrão assumiu o seu primeiro mandato de deputado estadual. 
 
Em 2018 Lebrão recebeu 20.357 votos e manteve-se na função de deputado estadual, cadeira que ocupa desde ano de 2009 sendo reeleito seguidamente. Porém, a operação Reciclagem pode ter colocado uma pá de cal em suas pretensões politicas.
 
O presidente da ALE/RO, Laerte Gomes, falou em entrevista à imprensa que seu papel já havia sido feito quando encaminhou os pedidos de cassação de Lebrão à Procuradoria da Casa de Leis. 
 
“O presidente não tem poder para cassar mandatos nem para interferir no Conselho de Ética. Aqui nós aprovamos leis, e também as cumprimos. Assim, todos os procedimentos serão feitos dentro da constitucionalidade e da legalidade. O papel do presidente voltará a ser exercido após a conclusão dos trabalhos do Conselho de Ética”, disse Laerte Gomes.
 
Enquanto isso a população segue aguardando uma resposta sobre qual será a atitude dos 23 deputados estaduais de Rondônia sobre as provas apresentadas em um trabalho louvável de investigação da Polícia Federal contra o seu colega de legislatura. 
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS