INJUSTIÇA: Trabalhador ficou preso em Porto Velho por crime que não cometeu

O mandado de prisão que os investigadores cumpriram era pelo crime de roubo no Estado do Pará.

INJUSTIÇA: Trabalhador ficou preso em Porto Velho por crime que não cometeu

Foto: Rondoniaovivo | Foto de Marco ao lado do advogado e familiares após ser solto por crime que não cometeu

O mecânico Marco Antônio Martins, 52, ficou preso injustamente por quase três meses em Porto Velho (RO) por um crime que não cometeu. No dia 02 de dezembro do ano passado, o Rondoniaovivo divulgou a prisão dele por policiais civis do 3° DP.  O advogado de defesa da vítima, Caio César de Souza Moreno, após árduo trabalho conseguiu provar a inocência do cliente.
 
O mandado de prisão que os investigadores cumpriram era pelo crime de roubo no Estado do Pará. Marco Antônio desde o dia da prisão jurava inocência, mas foi levado para o complexo prisional de Porto Velho (RO).
 
O erro da Justiça teve início quando o verdadeiro criminoso Aberlardo Ferreira do Nascimento, utilizou a identidade de Marco Antônio, que acabou sendo condenado indevidamente pela prática do crime capitulado no art. 157, § 2º, incisos I e II, c/c art. 14, inciso II, do Código Penal.
 
A defesa da Marco Antônio após várias diligências e coleta de documentos conseguiu provar o erro cometido pela Justiça e a vítima foi colocada em liberdade. O advogado de Marcos Antônio deverá entrar com um pedido de reparação de dano cometido ao cliente preso de forma injusta.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS