BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

BATE-BOCA: Câmara de Vilhena arquiva denúncia que pedia afastamento do presidente da Casa

Placar foi de 10 a 2 pela rejeição das acusações contra Ronildo Macedo

FOLHA DO SUL ONLINE

09 de Fevereiro de 2021 às 13:33

Atualizada em : 09 de Fevereiro de 2021 às 13:35

Foto: Divulgação

 

Numa sessão que demorou mais de três horas, realizada na manhã desta terça-feira, 09, a Câmara Municipal de Vilhena decidiu, por 10 votos a 2, arquivar uma denúncia contra o presidente da Casa, Ronildo Macedo, do PV. O parlamentar era acusado de três crimes: prevaricação, fraude a licitação e superfaturamento em obras realizadas na sede do Parlamento.

 
 
Dos 12 vereadores aptos a votar (o próprio Macedo estava impedido regimentalmente), apenas o bacharel em Direito Dhonatan Pagani (PSDB) e o policial militar Alexandre Damasceno (PROS), votaram pela abertura da investigação contra o colega. Todos os demais consideraram inconsistente a denúncia.
 
Pedrinho Sanches (Avante), Samir Ali (Podemos) e Wilson Tabalipa (PV) destacaram que o momento não é o ideal para a Câmara afastar o presidente, como pedia o autor da denúncia, e lembraram que as suspeitas contra Macedo já estão sendo apuradas pelo Ministério Público.
 
BATE-BOCA
 
Logo após a sessão, o vereador Pagani subiu à tribuna para explicar seu posicionamento e disse que, embora defendesse a abertura da investigação, não estava aceitando o afastamento de Macedo.
 
Quando o presidente também foi ao microfone, Dhonatan “arrepiou”, disse que ele era o último inscrito para discursar e que, ao não obedecer esta ordem, Macedo estava rasgando o Regimento da Casa.
 
Ronildo rebateu e disse que, embora fale muito em Deus, Pagani não age como prega, e continuou discursando por mais alguns minutos. “Tá achando que isso aqui é um galinheiro onde ele manda como quer”, disparou.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS