AMAZÔNIA: Dom Phillips veio a RO entender porque desmatadores votavam em Bolsonaro

O jornalista inglês esteve em Porto Velho em outubro de 2018

AMAZÔNIA: Dom Phillips veio a RO entender porque desmatadores votavam em Bolsonaro

Foto: Divulgação

O jornalista inglês Dom Phillips esteve em Porto Velho, Rondônia em outubro de 2018, quando Jair Bolsonaro tentava vencer no segundo turno as eleições presidenciais daquele ano. Phillips escreveu sobre a guerra que os apoiadores de Bolsonaro travavam contra a floresta tropical.
 
“Na Amazônia, Bolsonaro prometeu progresso em vez de proteção. E suas propostas radicais – neutralizar agências ambientais federais, dar luz verde a barragens hidrelétricas destrutivas , congelar a demarcação de novas reservas indígenas e abrir as existentes para mineração – ecoam pelos eleitores aqui, incluindo aqueles que violam as leis ambientais. Madeireiros, garimpeiros ilegais e posseiros em uma reserva protegida disseram ao Guardian que estão votando em Bolsonaro porque acreditam que ele facilitará suas vidas.”, escreveu o jornalista para o The Guardian.
 
Naquele momento Dom Phillips já traduzia o sentimento da comunidade científica, que mesmo antes de tomar posse, Bolsonaro era uma ameaça ao clima e ao meio ambiente.
 
“Ambientalistas argumentam que os planos de Bolsonaro serão desastrosos para a Amazônia e 33 grupos não-governamentais alertaram que suas propostas representam “riscos concretos e irreversíveis” para as florestas do Brasil, a biodiversidade e até a reputação de seus produtores do agronegócio. Os aliados de Bolsonaro desprezam tais preocupações. Seu planejado chefe de gabinete e o candidato de seu partido a governador de Rondônia criticaram a “interferência” estrangeira na Amazônia e disseram ao Guardian que têm dúvidas sobre a ciência do aquecimento global. Essas visões são comuns em um estado onde os pequenos proprietários dizem que são injustamente penalizados por violar as regras ambientais e argumentam que a responsabilidade pelas mudanças climáticas deve ser compartilhada globalmente”, diz a reportagem de Dom.
 
Ao mesmo tempo Phillips ouviu moradores de Rondônia que desmantam a floresta falando do aquecimento global.
 
“As pessoas em Rondônia – 43% do território desmatado – concordam amplamente em duas coisas: que vão votar em Bolsonaro e que o estado está ficando mais quente e seco. Os dados do governo comprovam isso. As temperaturas médias anuais na parte norte de Rondônia ficaram em média entre 26C-28C (79F-82F) em 2017, dois graus acima de cinco anos antes. As chuvas anuais também caíram em todo o estado.”
 
A reportagem também mostra que os aliados de Bolsonaro chegaram ao poder com a promessa de tornar Amazônia um lugar promissor, mas desmatando florestas. “Outros aliados de Bolsonaro pediram mais indústria na Amazônia. O coronel João Chrisóstomo, engenheiro aposentado do Exército eleito como um dos deputados federais do estado em 7 de outubro pelo Partido Social Liberal (PSL) de Bolsonaro, disse que os militares deveriam asfaltar suas estradas de terra. “O meio ambiente não pode impedir o desenvolvimento”, disse ele.”
 
Dom Phillips esteve na reserva florestal do Lago do Cuniã, administrado pelo Instituto Chico Mendes (ICMBio), que só permite a pesca artesanal e a agricultura sustentável para 400 moradores que vivem ao lado de uma majestosa e bela lagoa. a jacarés e bandos de pássaros
 
“A reserva fica a apenas 70 km (43 milhas) de Porto Velho, mas alcançá-la envolve horas de condução em estradas de terra, dois passeios de barco e um passeio de moto de arrepiar os cabelos por uma trilha estreita na floresta”.
 
“Em uma tarde recente, várias barcaças de garimpeiros de madeira estavam atracadas no rio Madeira, próximo ao Lago do Cuniã. Dois homens que controlam as bombas de chugging a bordo de uma das embarcações admitiram que estavam trabalhando ilegalmente e temeram ataques do Ibama – depois disseram que a promessa de Bolsonaro de trazer “dignidade e segurança” ganhou seus votos.”, publicou Dom sobre as ameaças dos garimpeiros.
 
Direito ao esquecimento

O senador Marcos Rogério defendeu o pastor Milton Ribeiro, preso pela Polícia Federal. Qual a sua opinião?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS