SANEAMENTO: Projeto de gestão do lixo da capital será apresentado em audiência na sexta (11)

A audiência será aberta a representantes da sociedade civil e também transmitida ao vivo no site: www.youtube.com/prefeituradeportovelho-ro

SANEAMENTO: Projeto de gestão do lixo da capital será apresentado em audiência na sexta (11)

Foto: Divulgação

A Prefeitura de Porto Velho estará realizando no próximo dia 11 de junho, às 17 horas, uma audiência pública para apresentar o projeto que foi escolhido e que irá gerir um negócio de R$ 1,5 bilhão de reais na capital.

 

A empresa vencedora da disputa será responsável pela gestão e operação de uma central de tratamento de resíduos; coleta; transporte e manejo de resíduos sólidos; de ecopontos e estação de transbordo de todo o município. A contratação seria pelo modelo Parceria Público Privada (PPP), por um período de 20 anos.

 

A audiência será aberta a representantes da sociedade civil e transmitida ao vivo no site: www.youtube.com/prefeituradeportovelho-ro .

 

O curioso é que o projeto de quase quinhentas páginas não foi disponibilizado para consulta da população com antecedência prévia à audiência. Também não foi dada a devida importância para as comunidades que serão diretamente impactadas pelos possíveis empreendimento.

 

É comum o fornecimento de infraestrutura para população que tem dificuldade de deslocamento ou acesso à internet. Neste caso em especifico os distritos e Vila Princesa.

 

A Audiência não teve ampla divulgação e não respeitou o prazo mínimo para ser realizada. Foi divulgado apenas no site da prefeitura e no diário oficial. Projetos dessa relevância devem ser amplamente divulgados na mídia para que as discussões sejam realizadas por toda a sociedade.

 

 

Preocupação

 

A perspectiva parece ser muito boa para uma cidade que tem os piores índices de saneamento básico entre as capitais brasileiras. Mas o projeto que foi escolhido pela prefeitura está deixando os moradores da comunidade do Recanto dos Pássaros, nos arredores da cidade, muito preocupados caso ela venha a se concretizada.

 

O Projeto aponta como possível espaço para construção do aterro sanitário, uma área na BR 364, próximo à Vila Princesa, perto do campus da Universidade Federal de Rondônia - UNIR. O local tem várias nascentes de água que contribuem no abastecimento da capital.

 

Esse conjunto forma o aquífero Jaci-Paraná, que atende a capital. Outro problema da área é que ela é pequena e desrespeita uma série de condicionantes ambientais.

 

Um dos moradores do loteamento Recanto dos Pássaros, Eliel Medeiros de Oliveira, disse que a comunidade está temerosa com a possibilidade de implantação de um aterro sanitário na região. Ele lamentou que a população que vive na área esteja sendo ignorada nos debates sobre o assunto.

 

“Estamos apreensivos com a implantação do aterro sanitário por vários motivos, como os impactos ambientais que podem afetar toda a comunidade porto velhense, caso ocorra uma contaminação do aquífero Jaci Paraná. Além disso, os estudos e dados coletados sobre a área do aterro estão todos desatualizados, são estudos de mais de dez anos”, declarou.

 

Eliel contou que a comunidade que vive nos 380 lotes do ‘Recanto dos Pássaros’ está consciente de que uma forma de fazer frente à ameaça de construção do aterro sanitário na localidade, é a união de todos. “Estamos constituindo uma associação de moradores para lutarmos juntos”, declarou.

 

Dobro

 

O projeto escolhido pela prefeitura para a contratação da Parceria Pública Privada (PPP), sob a modalidade de concessão administrativa, na nova proposta tem o valor sugerido de R$ 6.000.000,00 ao mês. Isso é o dobro do que é pago, hoje, pela Prefeitura da capital.

 

O Projeto apresentado não comtempla o encerramento e remediação dos lixões de Jirau e Vila Princesa; não menciona e não inclui de nenhuma forma as cooperativas de reciclagem, o que   pode ser visto de forma clara no projeto na pág. 750; e não deixa claro de que forma será realizada a coleta, transbordo e destinação final dos resíduos dos distritos da BR 364 e Baixo Madeira.

 

Vale observar também que o projeto escolhido diverge do Plano Municipal de Saneamento Básico do município, que foi aprovado recentemente pela Prefeitura de Porto Velho.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS