BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

OUTRO LADO: ‘Não sou homem de ameaças’, afirma secretário de Candeias do Jamari

Para o secretário, os ataques surgiram com mais força após a cidade de Candeias do Jamari se tornar referencia no combate à COVID-19

Rondoniaovivo - João Paulo Prudêncio

22 de Julho de 2020 às 11:12

Atualizada em : 22 de Julho de 2020 às 16:06

Foto: Divulgação

Na manhã desta quarta-feira (22) o secretário de regularização fundiária do município de Candeias do Jamari, José Rodrigues, conhecido popularmente na região pelo apelido de “Pato”, conversou com a reportagem do Rondoniaovivo sobre a recente denúncia de ameaça feita contra ele pelo jornalista Carlos Caldeira.

 

De acordo com Pato, as alegações envolvendo seu nome foram articuladas para desestabilizar a atual administração de Candeias e não são condizentes com a verdade, fato que segundo ele, será registrado na polícia como falsa comunicação de crime.

 

Veja mais:

 

AMEAÇA: Jornalista denuncia ameaça de secretário após expor churrasco de paca em Candeias

 

Sem ameaça

 

Ainda segundo o secretário, a foto de uma arma publicada em um grupo de uma rede social, motivo da acusação de ameaça, foi uma brincadeira entre amigos sobre um tema distinto e  nunca teve direcionamento ao jornalista, porém, pessoas ligadas à oposição da atual gestão aproveitaram da situação para criar essa polêmica.

 

“Não conheço esse Caldeira, não tenho porque ameaça-lo, não sou homem de ameaças, isso foi uma brincadeira no grupo entre amigos. Vou tomar as medidas legais porque essa é uma situação totalmente politica”, afirmou Pato.

 

Para o secretário, os ataques surgiram com mais força após a cidade de Candeias do Jamari se tornar referencia no combate à COVID-19, reduzindo os números de infectados e realizando o atendimento preventivo.

 

“Nos próximos dias iremos realizar uma testagem em massa com mais de 15 mil pessoas, estamos trabalhando em prol da nossa cidade e por esse motivo acabamos perseguidos”, finalizou José Rodrigues.

 

O caso ficará sob competência das autoridades policiais.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS