BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

PRECARIEDADE: Hildon Chaves não dá conta e população sofre com UPAs mal cuidadas

Sem ar-condicionado, enfrentando o calor amazônico, cidadãos alegaram que esperaram mais de duas horas para conseguir ver o médico

Rondoniaovivo - João Paulo Prudêncio

21 de Julho de 2020 às 11:12

Atualizada em : 22 de Julho de 2020 às 14:23

A precariedade do serviço de Saúde disponibilizado à comunidade portovelhense pelo prefeito Hildon Chaves (PSDB) é um reconhecido problema que ocorre bem antes da lotação dessas unidades por conta da pandemia de Coronavírus.

 

UPAS, policlínicas e UBS com portas sem trancas, chão sujo, paredes descascando, bebedouros quebrados, dão o tom do cenário de abandono ao qual os moradores da capital de Rondônia são condicionados quando procuram um socorro médico em um desses locais.

 

Imagens recentes registradas pelo repórter William Ferreira “Homem do Tempo” explicitam o mal cuidado da estrutura desses locais que atualmente se tornaram pontos de vital importância para a sociedade, já que a pandemia atinge mais de 10 mil pessoas apenas em Porto Velho.

 

 

Sem local digno para que os cidadãos aguardem até serem recebidos pelo médico, muitos que passam mal acabam deitando de forma improvisada entre as cadeiras velhas dispostas na recepção.

 

Sem ar-condicionado, enfrentando o calor amazônico, cidadãos alegaram que esperaram mais de duas horas para conseguir ver o médico.

 

Não bastasse a falta de medicamentos e profissionais, a condição que os cidadãos são colocados para aguardarem seu atendimento beira a desumanidade e deixa claro o quanto a inércia de um gestor público pode ser dolorida a uma população.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS