BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

Mãe denuncia suposta negligência em atendimento de hospital

Mãe denuncia suposta negligência em atendimento de hospital

Da Redação

17 de Julho de 2015 às 15:44

Foto: Divulgação

A autônoma Gislaine da Silva Penafort, 24 anos, denunciou um suposto caso de negligência no hospital particular Bom Jesus (HBJ), na manhã desta sexta-feira, 17. Segundo ela,

seu filho de apenas 2 anos e 4 meses de idade se apossou de um vidro com solução de Nistatina e ingeriu mais da metade do conteúdo. Em seguida, a criança começou a espumar a boca e a ter vômitos em excesso.

Por possuir um plano de saúde empresarial da Unimed, Gislaine foi imediatamente ao hospital particular para que pudesse receber os atendimentos emergenciais. Contudo, segundo a mãe, devido à quantidade de pessoas que aguardavam atendimentos, foi informada por funcionários que deveria esperar na fila.

Temendo pela saúde de seu filho, Gislaine se dirigiu a sala do diretor da unidade hospitalar. A direção confirmou que precisava avaliar a situação emergencial do garoto e, só assim, iria ver a possibilidade em passar a criança na frente dos outros pacientes.

Irritada com a demora no atendimento, a mãe pediu para rasgar o prontuário e saiu desesperada com destino ao Hospital Regional. Após informar sua situação na recepção do hospital público, no mesmo instante foi encaminhada à emergência para que seu filho pudesse ser medicado e onde ficou sob observação.

Gislaine disse a reportagem do Extra de Rondônia que se sentiu muito constrangida pela situação. “Nós pagamos o plano de saúde para evitar as longas filas dos hospitais públicos e receber um bom atendimento, mas, no meu caso, fui desrespeitada. Imagina se meu filho tivesse ingerindo veneno? Com certeza vou procurar meus direitos”, finalizou indignada a mãe.

Em contato com o diretor da HBJ, Dr. Reinaldo, ele negou a reportagem do ER que o hospital tenha agido com negligência, “apenas explicamos que o único médico em atendimento na unidade estava com emergências mais graves que a do filho dela”, explicou o médico.

O diretor confirmou que a mãe pediu que rasgasse o prontuário de atendimento e saiu sem dar satisfações. Ele disse estar a disposição da mãe para dirimir qualquer situação.

 

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS