ESPAÇO ABERTO: Prefeita pode perder mandato por ter nomeado marido inelegível

ESPAÇO ABERTO: Prefeita pode perder mandato por ter nomeado marido inelegível

Foto: Divulgação

ACORDOU
 
O Ministério Público de Rondônia (MP/RO) pediu à justiça, o afastamento da Prefeita de Guajará-Mirim, Raissa Bento, do marido dela, Antônio Bento, atual secretário de obras, e da chefe de gabinete, Ana Michele Silva. A promotoria acusa a gestora municipal pelo crime de improbidade administrativa.
 
NOMEAÇÃO
 
O pedido do MP é baseado na atitude da prefeita Raissa, que teria nomeado de forma ilícita, a prima Ana Michele e o marido Antônio Bento, praticando assim crime de nepotismo.
 
SEM DOCUMENTOS
 
A denúncia afirma que Antônio Bento foi nomeado sem apresentar certidões negativas que são exigidas na hora da entrega da documentação para o RH.
 
CONDENADO
 
Antônio Bento, que já foi cassado quando prefeito de Guajará-Mirim, está com o título eleitoral suspenso. Existe uma decisão judicial que suspendeu os direitos políticos de Bento por 8 anos, o que impede sua nomeação em cargos públicos.
 
JEITINHO
 
Conforme o MP, para tornar legível o esposo no poder público, a prefeita Raissa, “inventou” um decreto permitindo que os comissionados apresentassem as certidões no prazo de 90 dias.
 
DE FATO
 
A promotoria do MP também argumenta que Raissa deu o cargo de Secretário de Obras ao marido, para que ele administrasse o município, mesmo sendo inelegível. 
 
PEDIDO
 
O Ministério Público pede que a justiça suspenda os direitos políticos de Raissa, no período de três a cinco anos e pagamento de multa no valor de R$ 187 mil, que corresponde dez vezes o valor dos salários recebidos pelos denunciados. 
 
OUTRO LADO
 
A assessoria da prefeitura de Guajará-Mirim não respondeu às mensagens da coluna.
 
 
 
CASSAÇÃO
 
Pelos lados da Assembleia Legislativa de Rondônia também parece estar chegando no limite a permanência dos deputados Aelcio da TV e Edson Martins. O corregedor da Assembleia, deputado Ezequiel Neiva, notificou os dois parlamentares na quinta-feira,24. Ambos tem cinco dias úteis para se manifestar.
 
CASSAÇÃO 2
 
O deputado Edson Martins é acusado de improbidade administrativa em processo licitatório no período em que foi prefeito de Urupá. Aélcio foi condenado pela Justiça Eleitoral por abuso do uso de meios de comunicação durante a campanha eleitoral de 2018.
 
REFORMA
 
No quilômetro 220 da Estrada de Ferro Madeira Mamoré, no distrito de Abunã, o antigo prédio da estação está sendo preparado para reforma. E não é nenhum órgão do Patrimônio Público que está à frente do trabalho.
 
NEGOCIOU
 
Construído em 1953, o local foi invadido por uma pessoa que afirma ter comprado o imóvel e pretende usá-lo como ponto comercial. 
 
ADORMECIDOS
 
Como nenhum responsável pelo Patrimônio Histórico de Rondônia, muito menos do Brasil, se importou com a situação, tá lá o dito cujo “trabalhando” pra deixar tudo bem bonito.
 
OBRA
 
O prédio da estação de Abunã foi construído em alvenaria de tijolo e concreto armado, tendo piso de mosaico, pastilha e cimento, coberto com telhas de fibrocimento.
 
PONTO
 
A estação tinha sala de espera e de telefone, agência, telégrafo, sanitários, armazéns de carga e bagagem, com área coberta de aproximadamente 350m2.
 
ESTRATÉGIA 
 
A estação de Abunã foi um importante ponto de parada no trajeto  da ferrovia. Era um local onde os viajantes passavam a noite antes de seguir viagem. Era também um ponto de encontro entre os trens, que se cruzavam justamente naquela estação. 
 
 
RESPONSABILIDADE
 
A Constituição Estadual, artigo 264, diz que o patrimônio da EFMM foi tombado e o acervo ficou pertencente ao Governo de Rondônia, que deveria ser o responsável pela conservação de todo o acervo da ferrovia. 
 
OUTRO LADO
 
Até o fechamento da coluna, o Governo de Rondônia não enviou uma nota sobre o assunto que estaria sendo elabora pela assessoria de comunicação.
 
 
 
DEDUÇÃO
 
É muito fácil de entender porque ainda não houve barulho sobre esse problema na antiga estação do Abunã. Como não há nenhuma Usina envolvendo o dano, ninguém vai atrás.
 
DEDUÇÃO 2
 
A rapidez para algumas coisas só ocorre quando existe a chance da Lei de Gerson. Se houvesse uma mínima possibilidade de enfiar a mão em um cofre graúdo, já haveria uma fila grande de gente “preocupada” com o dano ao Patrimônio Histórico.
 
BOTUCATU
 
Eu conheci a antiga estão de trem de Botucatu, em São Paulo. É impressionante o zelo e a conservação do local que recebe inúmeros visitantes. 
 
BOTUCATU 2
 
No antigo saguão de espera, um mural com muitas fotos retrata a história da ferrovia. Servidores da prefeitura trabalham na estação, nos ambientes que 50 anos atrás eram usados pelos funcionários da ferrovia.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS