Sem recursos para investir, Governo cancela o Flor do Maracujá

A decisão do deputado Jesuíno Boabaid de pedir análise do processo referente ao orçamento deste ano da Sejucel prejudicou o andamento do processo com os recursos que seriam investidos na festa. O Governo também não conseguiu patrocínio junto a iniciativa privada

 Sem recursos para investir, Governo cancela o Flor do Maracujá

Foto: Divulgação

A falta de recursos levou o Governo a anunciar o cancelamento do tradicional Arraial Flor do Maracujá, previsto para ocorrer no mês de novembro, após ter sido adiado por três vezes este ano.

 

Primeiro, a Sejucel não conseguiu patrocínio junto as empresas, que alegaram estar saindo de uma crise financeira por conta da pandemia do Coronavírus e não tinham como fazer o investimento.

 

Sem dinheiro da iniciativa privada, o Governo decidiu empregar recursos próprios por meio de uma suplementação orçamentária.

 

Jesuíno Boabaid

 

Tudo estava correndo dentro dos trâmites, segundo o presidente da Federação de Grupos Folclóricos de Rondônia (Federon), Fernando Rocha, não fosse deputado Jesuino Boabaid pedir vistas do orçamento deste ano da Sejucel, impossibilitando o andamento do processo dentro do prazo previsto para a liberação do valor a ser investido na execução da festa. O processo ainda se encontra na Assembleia Legislativa.

 

Para piorar ainda mais a situação, a Sejucel mudou de dirigente por duas vezes este ano desde que foi acertado a data de realização do evento. Fernando declarou que a atual superintendente, Camila Ribeiro, teve boa vontade em resolver a questão, mantendo contato com várias pessoas, se reunindo com a Federon, mas dependia da liberação da Assembleia.

 

Investimento

 

O investimento para fomentar as indumentárias, os shows e a premiação dos grupos seria R$ 922 mil, fora a estrutura física para a realização do arraial – que estava em outro edital.

 

Fernando explicou que a festa sempre foi realizada pela Federon com apoio do Governo, no entanto, desde 2009 a Sejucel decidiu assumir a execução do Flor do Maracujá.

 

Ansiosos para realizarem a festa após dois anos sem ter o Flor do Maracujá, os dirigentes dos 43 grupos de quadrilhas e bois-bumbás de Rondônia já vinham ensaiando as coreografias e produzindo as fantasias. “Estão todos tristes e desanimados”, afirma Fernando, relatando a falta de respeito para com a cultura.

 

Mas, segundo o presidente da Federon, a Sejucel garantiu que os recursos que não foram usados este ano já estão assegurados para 2023. Sendo assim, a festa poderá ser realizada dentro do calendário anual de eventos, ou seja, em junho.

 

O Rondoniaovivo tentou contato com a Sejucel, mas  até o fechamento do material, não  conseguiu.

Direito ao esquecimento

Qual você acha que será o resultado do jogo entre Brasil e Suíça nesta segunda-feira (28)?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

MS Teixeira Comercial

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS