BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

CULTURA: Aplicativo permite passeio virtual pelo Museu do Ipiranga

Público poderá acompanhar ambientes e exposições enquanto aguarda inauguração do museu, prevista para 2022; também é possível fazer a visita pelo navegador de internet

Jornal da USP

09 de Setembro de 2020 às 09:03

Atualizada em : 09 de Setembro de 2020 às 09:04

Como parte das atividades que antecedem a inauguração do Novo Museu do Ipiranga, prevista para setembro de 2022, o público pode contar agora com uma viagem virtual por algumas áreas em volta do edifício-monumento e por exposições interativas.

 

 A ação faz parte do Museu do Ipiranga Virtual, plataforma em que o visitante constrói um avatar, pode mudar de roupas e, depois, partir para alguns passeios. A visita pode ser feita pelo próprio navegador do site ou por meio de aplicativos, disponíveis para os sistemas Windows e XboxOne e também para iPhone e iPad.

 

Durante o tour virtual, é possível acompanhar duas exposições com itens de destaque do acervo do museu – Dirigíveis de Santos Dumont e Personagens da Independência, além de assistir a vídeos sobre o andamento da obra, participar de quiz sobre curiosidades do museu, jogar minigames e conhecer algumas características da fachada do edifício.

 

Desenvolvido em conjunto com a Superintendência de Tecnologia da Informação da USP, o ambiente virtual surgiu a partir de pesquisas da Escola de Artes, Ciências e Humanidades (EACH) com o apoio dos Programas de Exposições e de Ação Educativa do museu. O trabalho foi patrocinado pela empresa farmacêutica EMS.

.

Sobre o Museu do Ipiranga

 

Inaugurado em 7 de setembro de 1895 e integrado à USP em 1963, o Museu do Ipiranga está fechado para visitação do público desde 2013, por conta da necessidade de obras de restauração e modernização. O restauro e a modernização do edifício histórico começaram após as comemorações de 7 de setembro de 2019.

 

A obra é patrocinada via Lei de Incentivo à Cultura e deve custar cerca de R$ 139,5 milhões, custeada pelas empresas: Banco Safra, Bradesco, Caterpillar, Comgás, Companhia Siderúrgica Nacional (CSN), EDP, EMS, Honda, Itaú, Vale, Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (Sabesp) e Pinheiro Neto Advogados, além da parceria da Fundação Banco do Brasil e da Caixa.

.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS