INDO E VOLTANDO: Falta de fiscalização sanitária em embarcações no rio Madeira segue preocupando

A última barreira realizada pela Agência de Vigilância Sanitária do Estado de Rondônia no local foi no ano passado

INDO E VOLTANDO: Falta de fiscalização sanitária em embarcações no rio Madeira segue preocupando

Foto: Divulgação

O trânsito de pessoas pela hidrovia do rio Madeira com o embarque e desembarque de passageiros que seguem para regiões ribeirinhas e cidades do estado do Amazonas através do Terminal Hidroviário de Porto Velho localizado no bairro Cain’água segue sendo motivo de preocupação da comunidade portovelhense. 
 
De acordo com a Marinha do Brasil, para evitar aglomerações, as embarcações estão apenas transportando a metade de sua capacidade de passageiros, porém a fiscalização no que diz respeito a questões sanitárias de combate ao COVID-19 permanece problemática. 
 
A última barreira realizada pela Agência de Vigilância Sanitária do Estado de Rondônia no local foi no ano passado. Em contato com a AGEVISA/RO não foi dada previsão de uma nova barreira. 

As embarcações seguem para o estado de Amazonas, onde uma nova a Cepa, mais forte e transmissível vem levando o sistema de Saúde ao caos.

De acordo com a Capitania dos Portos cabe a eles fiscalizarem o volume de pessoas e as questões de segurança, porém, medição de temperatura de passageiro, testes rápidos, entre outras medidas de combate ao COVID-19 não é de competência da Delegacia Fluvial. 
 
A reportagem entrou em contato com a Sociedade de Portos e Hidrovias do Estado de RO, que afirmou não ser responsável pelo terminal localizado na Cain’água.
Direito ao esquecimento

Qual dos deputados federais de Rondônia, você considera mais atuante no Congresso Nacional?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública.

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS