Belo gravava programa de Rodrigo Faro quando foi preso no Rio

Cantor participava da atração com a mulher, Gracyanne Barbosa

Belo gravava programa de Rodrigo Faro quando foi preso no Rio

Foto: Divulgação

FÁBIA OLIVEIRA/O DIA - Preso na manhã desta quarta-feira (17), o cantor Belo recebeu voz de prisão enquanto gravava ao lado de sua mulher, Gracyanne Barbosa, para o programa de Rodrigo Faro, da Record TV, em Angra dos Reis. As gravações precisaram ser interrompidas para que o cantor fosse levado pelas autoridades policiais.
 
A Delegacia de Combate às Drogas (DCOD), realizou mais cedo a operação 'É o que eu mereço', para cumprimento de quatro mandados de prisão preventiva e cinco mandados de busca e apreensão expedidos pela Justiça contra os responsáveis por promover a invasão e realização de um evento musical no interior do CIEP 326 – Professor César Pernetta, localizado na comunidade do Parque União, complexo da Maré. O cantor Belo, que se apresentou no evento, é um dos alvos da operação.
 
Na noite do dia 12 de fevereiro, a produtora Série Gold, através de seus sócios/administradores Célio Caetano Joaquim e Henrique Marques Oliveira, vulgo Rick, e o cantor Belo (Marcelo Pires Vieira) realizaram um evento musical, que perdurou até a manhã do dia seguinte, na escola pública do governo estadual, onde houve grande aglomeração de pessoas, de forma a propagar ainda mais a Covid-19.
 
A DECOD é a responsável pela investigação por se tratar da invasão de um estabelecimento de ensino, localizado no coração da comunidade Parque União, uma das áreas mais conflagradas do Estado, onde a maior organização criminosa do Rio de Janeiro atua. Sendo assim, a polícia acredita que a realização do evento poderia ocorrer com a autorização do chefe criminoso da localidade, identificado como Jorge Luiz Moura Barbosa, o Alvarenga, pessoa que controla a localidade há anos e figura como indiciado em diversos procedimentos policiais, sendo, inclusive, um dos criminosos mais procurados do Estado.
 
“Nesta toada, verifica-se que o cenário fático desenhado é um dos mais absurdos possíveis, na medida em que o 'evento contagioso' não foi autorizado pelo Estado, mas sim pelo chefe criminoso local, que também teve a sua prisão preventiva decretada", diz a Polícia Civil em nota.
 
Além das prisões, a Justiça também decretou a suspensão das atividades da sociedade empresária Série Gold, bem como o bloqueio das contas bancárias dos investigados, até que se apure os prejuízos causados ao Erário Publico pela conduta criminosa.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Expresso Marlin LTDA

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS