NO ANIVERSÁRIO: Bolsonarista que matou tesoureiro do PT vai a júri popular

Jorge Guaranho está preso desde 13 de agosto. Marcelo Arruda foi baleado na própria festa de aniversário, que tinha como tema o PT e o ex-presidente Lula

NO ANIVERSÁRIO: Bolsonarista que matou tesoureiro do PT vai a júri popular

Foto: Divulgação

 

O policial bolsonarista Jorge Guaranho, que assassinou o tesoureiro do PT Marcelo Arruda, vai a juri popular por homicídio duplamente qualificado. A notícia é do G1.
 
A decisão é do juiz Gustavo Germano Francisco Arguello, da 3ª Vara Criminal de Foz do Iguaçu, e foi proferida na última quinta-feira (1º). 
 
A defesa de Guaranho pode recorrer da decisão.
 
O crime foi em 9 de julho, em Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. Marcelo Arruda foi baleado na própria festa de aniversário, que tinha como tema o PT e o ex-presidente Lula. 
 
Ao ser atingido por Guaranho, o petista revidou e baleou o policial. O bolsonarista está preso desde 13 de agosto no Complexo Médico Penal de Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba.
 
Na decisão desta quinta, o juiz julgou procedente a denúncia do Ministério Público do Paraná (MP-PR) contra o réu por homicídio duplamente qualificado. 
 
A defesa do acusado pediu à Justiça que Guaranho não respondesse por um crime qualificado. 
 
Porém, o juiz decidiu que as provas apresentadas até aqui justificam manter as qualificadoras de crime cometido por motivo fútil e que resultou em perigo comum. 
 
“Qualquer aprofundamento da análise deste juízo em relação às provas relacionadas à qualificadora em questão, como pretende a Defesa em memoriais, implicaria indevida intromissão no mérito da imputação e injustificada interferência na competência constitucional do Conselho de Sentença”, diz a decisão. 
 
O juiz determinou que o caso vá para a à 1ª Vara Criminal e Tribunal do Júri de Foz do Iguaçu. 
 
Advogados que representam a família de Marcelo Arruda no processo avaliaram, em nota, que o envio do caso a júri popular é coerente e que buscarão a condenação do acusado.
 
Bolsonarista seguirá preso
 
O juiz também negou pedido da defesa de revogar a prisão de Guaranho. O magistrado afirmou que, diante da gravidade do homicídio pelo qual o policial é acusado, não há outra medida cautelar a ser aplicada que não a prisão em regime fechado. 
 
“A multiplicidade de disparos em local de confraternização pode indicar audácia do agente e desconsideração com a vida de vítimas secundárias, a demonstrar particular desprezo com o bem vida”, diz a decisão. 
 
Arguello também destacou a “particular reprovabilidade” de crimes praticados por agentes públicos que têm porte de arma por conta da função que ocupam.
 
 
Direito ao esquecimento

O que você irá fazer neste carnaval?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Fortbras Autopeças

Fortbras Autopeças

Fortbras Autopeças

Fortbras Autopeças

Fortbras Autopeças

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS