JACAREZIHO: Vítimas de operação mandaram mensagens para parentes antes de morrer

'Tô encurralado, ora aí', disse Marlon Santana, de 23 anos

JACAREZIHO: Vítimas de operação mandaram mensagens para parentes antes de morrer

Foto: Divulgação

Algumas vítimas da operação da Polícia Civil na comunidade do Jacarezinho, que aconteceu na manhã desta quinta-feira (6), enviaram mensagens telefônicas a parentes antes de morrer. O conteúdo foi mostrado à imprensa por familiares dos assassinados no IML nesta tarde. "Tô encurralado. Ora aí", foi uma das mensagens. 
 
Ainda de acordo com um familiar de Marlon Santana de Araújo, de 23 anos, identificado como uma das vítimas, ele ligou para um parente falando que estava preso em uma casa e não conseguia sair.
 
"Ele ligou para a minha irmã umas 8h20 falando que estava preso na casa, que não conseguia sair. Depois, umas 8h30, ele mandou uma mensagem com a voz bem baixinha dizendo: 'Mãe, ora por mim'".
 
Além disso, a mãe de um dos mortos questionou a polícia. "E daí se ele tinha envolvimento ou não? Tinha que pegar, levar e prender. Não matar. Mãe nenhuma pare traficante, não. Mãe, pare gente e mãe nenhuma merece isso".
 
Já Rosiane Mendes, tia de John Jefferson Mendes, de 30 anos, mostrou a conversa que ele teve com a com a irmã.
John diz que também não consegue sair do local onde está e a irmã responde: "Não sai daí de jeito nenhum". O texto foi enviado às 8h15 de quinta-feira (6). Rosiane também diz que trocava mensagem com o sobrinho, mas apagou por medo. A última vez que ele respondeu foi às 8h24.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS