DISTRAÇÃO: Homens jovens têm preferido jogar videogame a sexo casual, aponta estudo

Aumento no acesso à pornografia e diminuição do consumo de álcool também aparecem entre motivos

DISTRAÇÃO: Homens jovens têm preferido jogar videogame a sexo casual, aponta estudo

Foto: ILUSTRATIVA

 

Homens jovens têm preferido jogar videogame a fazer sexo, de acordo com um estudo realizado nos Estados Unidos. Publicada em 22 de março pela Universidade de Rutgers (de Nova Jersey) em parceria com a Universidade Estadual de Nova York, a pesquisa entrevistou por volta de dois mil homens e mulheres entre os anos 2007 e 2017, em busca das razões para o atual declínio na atividade sexual casual entre jovens.
 
 
A principal causa encontrada no geral foi a diminuição no consumo de bebida alcoólica, mas, no caso específico dos homens, jogar videogame aparecia em segundo lugar, com 25% das respostas.
 
 
Homens jovens têm dado preferência a jogar videogame em vez de engajar em sexo casual, segundo estudo — Foto: Reprodução/Murilo Molina
Homens jovens têm dado preferência a jogar videogame em vez de engajar em sexo casual, segundo estudo — Foto: Reprodução/Murilo Molina
 
 
Segundo o estudo, entre os jovens de 20 a 24 anos, a proporção dos que afirmam não ter feito sexo casual no último ano aumentou de 11,7% para 15,2%. Quando são levados em consideração apenas homens na faixa etária de 18 a 24 anos, esse aumento pulou de 18,9% para 30,9%.
 
 
Entre o público masculino, por volta de 1/4 da queda foi atribuído à prática de jogar videogame. De acordo com os números, inclusive, a possibilidade de um homem que joga videogame diariamente fazer sexo casual é menos da metade em relação a um outro que não joga.
 
 
Embora a diminuição do consumo de álcool tenha sido o principal motivo da queda – e isso tanto entre homens, quanto mulheres –, não houve um segundo fator identificado para o público feminino.
 
 
O estudo também não encontrou outras evidências que pudessem explicar o declínio na atividade sexual entre os jovens, como situação financeira ou uso excessivo de Internet ou televisão, por exemplo. O fato de ainda morar com os pais, por sua vez, afetou apenas 10% dos entrevistados.
 
 
O professor do Instituto de Saúde e Sociedade da Universidade de Newcastle, Simon Forrest, comentou a pesquisa, mencionando mudanças nos hábitos de jovens nos últimos 50 anos.
 
 
De acordo com ele, a juventude atualmente forma parcerias de longo prazo mais tarde em suas vidas –normalmente, não antes dos 30 anos. Além disso, já que muitos ainda estão dependentes de sua família – aqui, financeiramente e em matéria de moradia – isso pode, também, afetar o tipo de relação que desenvolvem.
 
 
Ele também mencionou um fenômeno que chamou de "pornografização" da sociedade, que consiste basicamente no acesso maior à pornografia online. Isso, supostamente, poderia ter impacto nos relacionamentos.
 
 
Segundo o professor, jovens podem estar preocupados em ter seus corpos "objetificados", ou até mesmo em reforçar atitudes negativas contra mulheres. Além disso, teriam menos encontros sexuais porque passam mais tempo assistindo à pornografia.
 
 
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS