VIOLÊNCIA: Homem mata a própria filha e esfaqueia quatro pessoas da mesma família

Após o ataque, o homem fugiu do local e voltou para casa

VIOLÊNCIA: Homem mata a própria filha e esfaqueia quatro pessoas da mesma família

Foto: Divulgação

 

Um homem identificado como Claudinei Tizon, de 42 anos, matou a própria filha e esfaqueou mais quatro pessoas da mesma família no início da noite da última segunda-feira (12), em Rodeio, cidade do Médio Vale do Itajaí.
 
 
De acordo com informações da Polícia Militar, o agressor teria dado tiros com um rifle calibre .22 antes de golpear fatalmente a filha, Géssica Dias Tizon, de 21 anos. O caso ocorreu na localidade de Rio Belo.
 
 
Após matar a jovem, ele ainda esfaqueou a ex-companheira, Claudete Tizon, de 39 anos, a ex-sogra, de 56 anos, o ex-sogro, de 61, e o ex-cunhado, de 34 anos.
 
Da esquerda para a direita: avó de Gessica, Gessica, Claudinei Tizon (atrás), Claudete Tizon (mãe da vítima), avô de Gessica (materno) – Foto: Reprodução/ND
Da esquerda para a direita: avó de Gessica, Gessica, Claudinei Tizon (atrás), Claudete Tizon (mãe da vítima), avô de Gessica (materno)
 
 
Segundo o Corpo de Bombeiros Voluntários da União, que socorreu as vítimas, na casa também estavam duas crianças com deficiência, mas elas não tinham ferimentos e ficaram sob os cuidados do Conselho Tutelar e da Assistência Social.
 
 
Após o ataque, o homem fugiu do local e voltou para a própria casa. No local, os policiais encontraram rastros de sangue que seguiam em direção a um matagal nos fundos da residência.
 
O agressor foi encontrado caído em um córrego com cortes nos braços, pés e uma perfuração no abdômen. As vítimas e o agressor foram socorridos pelo Corpo de Bombeiros e pelo Samu e encaminhados ao hospital.
 
Vítima estava visitando a casa dos pais
 
De acordo com o relato de uma colega de Géssica, ela estava morando em Gaspar, na casa dos tios, pois não conseguia emprego no município de Rodeio. Ela visitava a casa dos pais nesta segunda-feira.
 
A jovem de 21 anos era “esperta, estudiosa e muito dedicada”. O pai, Claudinei Tizon, trabalhava como pedreiro, mas estava desempregado.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS