BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

65 ANOS DE PRISÃO: Mãe e assassina de Rhuan disse que o cheiro da carne do menino 'estava bom'

O Correio teve acesso à sentença de Rosana Auri da Silva Candido e Kacyla Priscyla Santiago Damasceno Pessoa, condenadas, nesta quarta-feira, pelo assassinato de Rhuan Maycon da Silva

CORREIO BRAZILIENSE

26 de Novembro de 2020 às 11:52

Foto: Divulgação

“Vocês comeram a carne da criança?". "Não, mas o cheiro estava bom.” O trecho é de uma conversa de Rosana Auri da Silva Candido, mãe e assassina confessa do menino Rhuan Maycon da Silva Castro, de 9 anos, com um delegado. Ela e a companheira, Kacyla Priscyla Santiago Damasceno Pessoa, foram condenadas pela morte de Rhuan nesta quarta-feira (25/11). O Correio teve acesso à sentença que demonstra detalhes do crime.
 
Segundo o documento, quando foi presa em flagrante pelo assassinato do filho, em maio de 2019, Rosana disse ao delegado em questão que não comeu a carne do menino, mas que o 'cheiro estava bom'. Ela foi condenada a 65 anos de prisão e a outra autora a 64 anos. Ambas irão cumprir a pena em regime fechado.
 
Segundo o juiz Fabrício Castagna Lunardi proferiu, no Tribunal do Júri de Samambaia, responsável pela sentença, a conduta social de Rosana é "totalmente desajustada, pois, de acordo com a prova testemunhal, trata-se de pessoa de difícil convivência na sociedade, que, além disso, nutre um sentimento de aversão e de indiferença para com os membros de sua própria família, o que evidencia o desprezo por regras éticas e pelos parâmetros sociais de comportamento."
 
Ainda segundo o juiz, o crime foi "friamente premeditado" com antecedência de, pelo menos, um mês, pois as acusadas buscaram informações na internet sobre como castrar e emascular (extrair os testículos e o pênis) a vítima. "A ré [Rosana] não demonstrou arrependimento, remorso ou empatia com a vítima, o que evidencia um desvio de personalidade que deve ser valorado negativamente", afirmou na sentença.
 
Kacyla também não teria demonstrado arrependimento, remorso ou empatia com o menino. O Correio tenta contato com a defesa das acusadas, mas, até o momento, não houve resposta. O espaço segue aberto para manifestação.
 
Crime cruel
 
Na madrugada do dia 31 de maio de 2019, Rosana e Kacyla apunhalaram Rhuan Maycon. Segundo a sentença, foi utilizado um pano embebido com “acetona” na boca de Rhuan para dificultar a resistência do menino. Além disso, o crime foi praticado na presença da filha de Kacyla, criança de apenas 8 anos de idade.
 
Após serem desferidas 11 facadas no menino, ele foi decapitado, ainda vivo, com uma faca serrando o seu pescoço. A dupla tentou incinerar o que sobrou do corpo em uma churrasqueira, mas, como não conseguiu, colocou as partes em uma mala e duas mochilas.
 
Rosana caminhou cerca de 1km até encontrar um bueiro, onde deixou a mala. Quando voltou para buscar as mochilas, um adolescente, que havia visto a cena, suspeitou e recuperou o objeto. Ao ver o conteúdo, ele acionou a polícia.
 
Rosana e Kacyla foram presas em flagrante e confessaram o crime. Uma das motivações seria a determinação da Justiça do Acre para que o pagamento da pensão do menino fosse suspenso no início do mês. A decisão seria uma tentativa de forçar as mulheres a aparecer, pois as duas eram procuradas pelo desaparecimento de Rhuan.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS