BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

MANIFESTAÇÃO: Entregadores por aplicativos organizam paralisação dia 25 de julho

O grupo irá se concentrar no estacionamento da Torre de TV. O ato está marcado para 9h

CORREIO BRAZILIENSE

17 de Julho de 2020 às 14:51

Atualizada em : 17 de Julho de 2020 às 14:51

Foto: Divulgação

 

CORREIO BRAZILIENSE - Os entregadores por aplicativo organizam uma nova paralisação geral no dia 25 de julho. O objetivo é o mesmo do último ato, pedir melhores condições de trabalho. O ato será nacional e, no Distrito Federal, está sendo coordenado pela Associação de Motoboys, Autônomos e Entregadores do Distrito Federal (AMAE-DF). A concentração será no estacionamento da Torre de TV, às 9h.

 

A categoria quer reforçar as reivindicações dos trabalhadores. Entre elas, está o fim dos bloqueios feitos pelas plataformas, considerados injustos pela categoria, o aumento das taxas por quilômetro percorrido e a responsabilidade dos aplicativos na prevenção dos motoristas contra a covid-19 com a distribuição dos Equipamentos de Proteção Individual (EPIs).

 

 
De acordo com o presidente da Amae-DF, Alessandro da Conceição, a segunda paralisação deve ser bem mais forte do que a anterior: a expectativa é que a participação dos motoboys seja o dobro da anterior. “Desta vez, os motoristas de aplicativos do 99 e Uber vão nos apoiar em todo o país. Então, o movimento tem tudo para ser mais forte do que a primeira paralisação”, explica. 
 
 
O movimento ficou conhecido como Breque dos Apps, que ocorreu pela primeira vez em 1º de julho e reuniu milhares de trabalhadores em diversas capitais do país. Breque, segundo Alessandro, é uma gíria usada por esses trabalhores em São Paulo e significada "parar".  
 
 
Além disso, o presidente da entidade pede o apoio dos clientes para não realizarem pedidos por nenhum aplicativo no dia do ato. “As pautas continuam as mesmas, pois esses aplicativos não querem diálogo com a gente, não querem negociar. Já foram marcadas duas audiências públicas e, em nenhuma delas compareceram”, afirma. 
 
 
O Correio entrou em contato com as assessorias dos três principais aplicativos e aguarda o posicionamento.
 
 
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS