MEIO AMBIENTE: Parceria entre Rioterra e IFRO vai levar inovação à agricultura familiar

Objetivo do acordo é possibilitar recuperação de áreas degradadas, com foco na agricultura familiar

MEIO AMBIENTE: Parceria entre Rioterra e IFRO vai levar inovação à agricultura familiar

Foto: Localizado em Itapuã do Oeste, o Viveiro Rioterra produz mais de 1,5 milhão de mudas por ano para o reflorestamento de áreas degradadas - Divulgação

Um acordo de parceria para pesquisa, desenvolvimento e inovação foi firmado este mês entre o Centro de Estudos (CES) Rioterra e Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de Rondônia (IFRO). 
 
A parceria tem como objetivo a cooperação técnica entre as duas instituições para promover a transferência de tecnologias e desenvolver programas de computador e protótipos que possibilitem a transformação digital na gestão de propriedades rurais e a automação no monitoramento, gestão e execução de processos de recuperação florestal.
 
A primeira iniciativa implementada será o desenvolvimento de uma ferramenta de gestão para otimizar as atividades do Viveiro Rioterra, localizado em Itapuã do Oeste e onde, a cada ano, são produzidas mais de 1,2 milhão de mudas de espécies florestais nativas e frutíferas destinadas ao reflorestamento de áreas degradadas de propriedades da agricultura familiar de Rondônia por meio do plantio de agroflorestas.
 
Para o coordenador de projetos do CES Rioterra, Alexis Bastos, a inovação tecnológica e a automação de processos são importantes na promoção de um desenvolvimento realmente sustentável para a região Amazônica. 
 
E a experiência do Instituto Federal de Rondônia (IFRO) em pesquisa e desenvolvimento de tecnologias tornará possível transformações importantes na gestão e execução de ações da instituição.
 
 
“Com inovação tecnológica é possível desenvolver programas para solucionar inúmeros desafios e gerar benefícios sociais, econômicos e ambientais aos agricultores familiares de Rondônia. Poderemos desenvolver equipamentos, aprimorar tecnologias, atuar junto a startups e utilizá-las para apoiar a transição do atual modelo produtivo para um de baixo carbono e a uma agricultura regenerativa na Amazônia”, detalhou Bastos.
 
Márcio Rodrigues Miranda, coordenador do Programa de Mestrado em Propriedade Intelectual e Transferência de Tecnologias para Inovação do Instituto Federal de Rondônia (IFRO), destaca que a experiência do CES Rioterra de mais de duas décadas na implementação e gestão de projetos de recuperação florestal e as informações que a instituição vem acumulando sobre aspectos geográficos, sociais, econômicos e ambientais de regiões do estado serão muito importantes no desenvolvimento dos programas. 
 
“Quanto mais dados inserimos nos programas, melhor eles funcionam. Com as informações que o Centro de Estudos Rioterra tem para disponibilizar, será possível desenvolvermos sistemas e dispositivos para a automação de atividades possibilitando melhorias, como monitoramento e controle de processos em tempo real, economia de recursos, eficiência na produção e gestão das propriedades, emissão de alertas automatizados, e muitas outras possibilidades”, explicou Miranda. 
 
As ações em parceria com o IFRO fazem parte do Plantar Rondônia, projeto desenvolvido pelo Centro de Estudos Rioterra em cooperação com a Federação dos Trabalhadores na Agricultura de Rondônia (Fetagro), em parceria com a Secretaria de Estado do Desenvolvimento Ambiental (Sedam), e apoio financeiro do Banco Nacional do Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES, por meio do Fundo Amazônia.
 
 
Direito ao esquecimento

Em qual desses quatro pré-candidatos você votaria se as eleições fossem hoje?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS