BONS RESULTADOS: Método para monitorar colheita de soja evita desperdício bilionário

O kit é simples e pode reduzir muito os prejuízos causados por perdas no momento da colheita

BONS RESULTADOS: Método para monitorar colheita de soja evita desperdício bilionário

Foto: Divulgação

 
Um kit de monitoramento de perdas na colheita de soja, desenvolvido pela Embrapa na década de 1980, é um dos grandes responsáveis pela redução de desperdício da cultura ao longo dos anos no estado do Paraná. Ao medir o desperdício e identificar as causas, o monitoramento integrado da colheita da soja no estado registrou a redução das perdas de três a sete sacas por hectare, nos anos 1980, para pouco mais de uma saca pela mesma medida de área (1,05 saca/ha) na última safra 2019/2020. Índice bem próximo do aceitável, estabelecido pela Embrapa, para desperdícios da leguminosa: até uma saca de 60 kg por hectare plantado.
 
No Brasil, estima-se que as perdas durante a colheita de soja sejam de duas ou mais sacas por hectare, em média. Os levantamentos realizados são ferramentas de diagnóstico porque, a partir da caracterização do cenário de campo, podem ser elaboradas estratégias corretivas para os locais em que ocorrem desperdícios.
 
 
Na década de 1980, a Embrapa desenvolveu um kit bem simples que pode reduzir muito os prejuízos causados por perdas no momento da colheita (veja quadro abaixo).
 
A otimização do processo de colheita da soja passa pela quantificação das perdas e o entendimento das suas causas, bem como a promoção de treinamentos para a qualificação de operadores de colhedoras”, informa o pesquisador da Embrapa Osmar Conte.
 
O histórico de adoção de boas práticas e os atributos para reduzir o desperdício estão descritos em Circular Técnica, editada pela Embrapa, com os Resultados do monitoramento integrado da colheita da soja na safra 2019/2020 no Paraná. O trabalho é uma parceria entre a Embrapa Soja (PR) e o Instituto de Desenvolvimento Rural do Paraná (IDR-Paraná). 
 
Alguns sojicultores perderam apenas 0,2 saca por hectare
 
Na safra 2019/2020, em 624 lavouras amostradas no Paraná pela Embrapa e IDR, no âmbito do Programa de Redução das Perdas de Grãos na Colheita de Soja, destaca-se a região noroeste do estado, cuja média de perdas foi de apenas 0,67 saca por hectare.
 
“Tivemos produtores no Paraná que perderam apenas 0,2 saca por hectare e outros desperdiçaram até seis sacas por hectare, o que mostra a necessidade de continuarmos o trabalho de transferência dessa tecnologia de monitoramento para que os produtores reduzam as perdas e tenham maior lucratividade”, destaca o extensionista do IDR-Paraná Edivan José Possamai.
 
Ao se realizar um cálculo simples, é possível contabilizar as perdas. Ao se considerar o desperdício de três quilogramas de soja por hectare e multiplicando-se o valor desperdiçado pela área cultivada no Paraná (5,5 milhões de hectares), chega-se a 275 mil sacas de soja.
 
“Considerando que o preço de dezembro/2020 era de R$ 148,00 a saca, representa R$ 40,7 milhões desperdiçados nas lavouras paranaenses, de forma direta, sem contabilizar os custos com o controle da soja guaxa ou pragas e doenças que persistente no ambiente devido aos grãos que ficam no local e germinam”, destaca.
 
Tecnologia simples que evita perdas milionárias
 
 
A metodologia, desenvolvida pela Embrapa na década de 1980, considera a relação entre o peso e o volume de grãos. Constantemente atualizada, é aprimorada para se adequar às novas máquinas e às mudanças no processo produtivo da soja. 
 
O Kit de Monitoramento de Perdas na Colheita usado na colheita de soja é formado por um copo medidor, um manual orientador, uma armação de 4,0 m de largura por 0,5 m de comprimento (2,0 m2,) e quatro pinos de fixação da armação.
 
O manual destaca o método e o uso do Copo Medidor de Perdas, bem como as informações técnicas relacionadas a cada um dos sistemas que compõem a colheitadeira - corte e alimentação, trilha, separação, limpeza, transporte, armazenamento e descarga, finalizando com apontamentos sobre os problemas, as causas e aspossíveis soluções observadas durante a operação de colheita da soja.
 
O pesquisador da Embrapa José Miguel Silveira explica que o método do Copo Medidor consiste em recolher todos os grãos que estiverem soltos sobre o solo ou dentro de vagens, após a passagem da colhedora, dentro de uma área delimitada (armação) de coleta de 2 m2, disposta transversalmente às linhas de plantas.
 
Todos os grãos recolhidos nessa área amostral são depositados no copo, que apresenta o nível de perda tolerável (até 1,0 saca de 60 kg/ha) ou de desperdício que ocorreu naquele ponto.
 
O Kit Perdas é comercializado pela Embrapa, entretanto, é possível confeccionar a armação própria, de acordo com as instruções que constam do manual, em função da largura da plataforma de alimentação/corte da colhedora. Para tanto, poderão ser usados materiais de uso comum na propriedade rural, como ripas de madeira, canos de PVC, barbante ou corda trançada.
 
Para adquirir o Kit de Monitoramento de Perdas na Colheita
 
A Embrapa Soja disponibiliza o kit em duas opções:
 
a)    “Kit Perdas Individual”:1 copo, 1 manual, 1 armação e 4 pinos de fixação, que são comercializados a R$ 30,00;
 
b)    “Kit Perdas Caixa”, contendo 2 Kits Perdas Individuais ao custo de R$ 50,00. 
 
Interessados podem entrar em contato com a Associação dos Empregados da Embrapa (AEE-Soja) pelo e-mail: livraria.aee@gmail.com ou pelo telefone (43) 3371-6119. 
 
Parcerias permitem personalizar Copos Medidores
 
Além de comercializar as unidades do kit para o público em geral, a Embrapa Soja oferece a possibilidade de personalização com logotipo para empresas ou grupos interessados em parceria para distribuição de volumes maiores do kit. Há também condições especiais para aquisições superiores a 500 unidades.
 
Nesses casos, além da parceria para produção e distribuição dos copos, há a possibilidade de a Embrapa Soja ministrar palestras e treinamentos que auxiliam no melhor aproveitamento da tecnologia. Os contatos podem ser feitos diretamente com a Setor de Prospecção e de Avaliação de Tecnologias (SPAT) da Embrapa Soja, no e-mail: cnpso.spat@embrapa.br ou pelo telefone (43) 3371-6073.
 
Revisão na colhedora e capacitação do operador
 
Nesse processo, a máquina colhedora é ferramenta fundamental, porque pode colaborar para preservar os grãos sem danos e evitar o desperdício. O adequado funcionamento da colhedora é essencial para a colheita e, por isso, o operador da máquina precisa ser qualificado para fazer a manutenção prévia e as regulagens diárias, de acordo com a situação de campo.
 
Vale lembrar que cerca de 70% a 90% das perdas estão relacionadas a problemas na plataforma de corte da colhedora e, por isso, a necessidade de regulagens ao longo do processo de colheita por profissionais capacitados”, reforça.
 
“Não evitamos 100% das perdas, mas precisamos trabalhar com o nível tolerado de uma saca de 60kg por hectare. A metodologia de monitoramento de perdas na colheita de soja visa a trazer todos os conhecimentos necessários para evitar desperdícios”, afirma Conte.
 
 
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS