BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

Patrocinar carnaval é jogar dinheiro público no ralo

COLUNA

14 de Fevereiro de 2020 às 09:22

A declaração do prefeito de Porto Velho, Hildon Chaves, de que, à semelhança do ano passado, não vai repassar um centavo para ajudar as escolas de samba, considerando as dificuldades pelas quais passa o erário municipal, se, por um lado, caiu como um torpedo no colo dos carnavalescos, por outro, soou como melodia agradável aos ouvidos da maioria dos munícipes portovelhenses, dentre os quais me incluo.

 

Não se trata de ser contra a festa de carnaval, considerada por alguns como o maior espetáculo do mundo. Quem quer pular carnaval que o faça, usando suas próprias economias, mas não com dinheiro público, que tem finalidade precípua, como promover ações que, de alguma maneira, contribuam para melhorar a qualidade de vida da população em geral, e não para atender os devaneios de uns poucos.

 

Porto Velho padece de problemas crônicos. Na saúde a ferida é exposta. E isso não é nenhuma novidade. Vem de longe. O setor acumula historicamente uma série de erros que vão dos desvios de conduta a adoção de modelos inadequados. E é a população (sobretudo os segmentos mais carentes da sociedade, que não podem pagar um plano de saúde) quem está sendo punida duramente.

 

Acerta o prefeito, portanto, quando assume que sua administração tem assuntos mais importantes para resolver, nos mais diferentes setores, para os quais seus olhos estão voltados, e que a festa carnavalesca não compõe o mosaico de suas preocupações, indicando um compromisso com uma nova postura politico-administrativa pela qual Porto Velho há muito reclama.

 

Já disse (e repito quanto vezes forem necessárias, até para que se não pairem dúvidas) que não votei no candidato Hildon Chaves. Igualmente não integro o time de bajuladores que se cevam das migalhas que lhes caem da mesa palaciana. Discordo da maneira como o prefeito gerencia alguns setores de governo, mas nesse ponto sou obrigado a dar a mão à palmatória, ou seja, patrocinar carnaval é jogar dinheiro público no ralo.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS