BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

Acesso à água ainda é um desafio para muitos portovelhenses

COLUNA

29 de Outubro de 2019 às 15:58

Nos últimos anos, muito se tem falado sobre o abastecimento de água na cidade de Porto Velho, mas pouco ou quase nada tem sido feito, em termos práticos, para, pelo menos, minimizar o sofrimento da população. A cada tentativa novos ingredientes aparecem para complicar ainda mais a situação. A gravidade do tema tem sido citada em várias ocasiões, mas não conseguiu sensibilizar as autoridades. Na administração do governador Ivo Cassol chegou-se a colocar a bala no tambor do revolver, mas, na hora de apertar o gatilho, um vereador do PT meteu o dedo no cano da arma e o caso acabou no Ministério Público Federal.

 

Os pedidos da população - vitima direta da falta e/ou da escassez de água - para que os gestores públicos tomem providências vêm se arrastando há décadas. Ninguém se dispôs a sinalizar para enfrentar essa situação delicada. O que se tem feito com os habitantes de Porto Velho, principalmente aqueles mais carentes, no que se refere ao abastecimento de água, é uma demonstração de como atos politico-administrativos tomados sem a devida precaução e análises adequadas podem se constituir em grandes transtornos sociais. Nesse caso especifico, uma série de erros vem se acumulando ao longo do tempo, e a autoridade público deu visibilidade a conquistas que se não realizaram, à qualidade e abrangência de serviços que não aconteceram, deixando a população ao deus-dará.

 

Os dias para quem depende do abastecimento de água, em Porto Velho, têm se revelado duros e angustiantes. O acesso à água continua sendo um desafio para centenas de famílias que moram nesta cidade e um drama onde se mistura várias questões: risco à saúde da população, exploração de consumidores e desrespeito a direitos básicos das pessoas, como é o de ter água em condições de consumo. A esperança da população é que o assunto seja tratado com a seriedade que merece e as medidas a serem adotadas tenham como base condições efetivas. Já passou da hora de as autoridades respeitarem os interesses dos usuários e resolver o problema de uma vez por todas.

 

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS