BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

ESTADO: Anderson volta cobrar realinhamento de órgãos que compõem a segurança

O parlamentar apontou que o setor funciona como uma engrenagem e cada peça tem sua função de extrema necessidade para a população, sendo a PM com trabalho ostensivo, PC investigativo, PP carcerária, Bombeiros e Detran prevenção

ASSESSORIA

11 de Março de 2020 às 17:12

Foto: Divulgação

Em seu discurso na sessão ordinária desta terça-feira (10), o deputado Anderson Pereira (PROS), pautou novamente sobre o realinhamento, valorização salarial de servidores que compõem o quadro da segurança pública do Estado sendo: Polícia Penal, Polícia Militar, Polícia Civil, Corpo de Bombeiros, Detran e demais.



O parlamentar apontou que o setor funciona como uma engrenagem e cada peça tem sua função de extrema necessidade para a população, sendo a PM com trabalho ostensivo, PC investigativo, PP carcerária, Bombeiros e Detran prevenção.



Anderson Pereira pontuou que a discussão das categorias com o Governo é salutar e cada gestor de sua pasta tem a devida abertura para seguir lutando em busca de um final feliz e se houver um entendimento as matérias, assegurando melhorias para os servidores e forem encaminhadas à Assembleia vão ser analisadas e votadas com celeridade.



Ainda de acordo com o parlamentar a diferença salarial entre as classes é grande, um policial civil recebe em média R$ 4 mil mensal, um policial militar algo em torno de R$ 3.800, já um policial penal apenas R$ 2.800, sendo a classe mais desvalorizada da segurança pública.


A diferença de salários entre as classes acaba criando uma grande insatisfação nas categorias que muita das vezes decidem por comporem movimentos paredistas, para mostrarem descontentamento. O governo de Minas Gerais é um exemplo, que resolveu o problema do setor fazendo isonomia no salário dos servidores.


O deputado destacou que parlamentares com muitos anos de ALE, jamais tiveram oportunidade de votarem um projeto de valorização de servidores e pede que o governo seja sensível ao assunto para não deixar os trabalhadores em total desmotivação, estressados, sem gás para atuação.

--

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS