BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

PLANO DIRETOR: Edesio Fernandes reúne bancada evangélica e lideranças religiosas

Em reunião, o conselho de pastores tiveram dúvidas explicadas para a regularização dos templos nas normas do Plano Diretor

Assessoria

09 de Julho de 2019 às 10:49

Foto: Assessoria

Na manhã desta segunda-feira, (08) a bancada evangélica liderada pelo vereador e Pastor Edesio (PRB), esteve na sala de reunião da presidência da Câmara Municipal de Porto Velho, com lideranças religiosas para discutir o Plano Diretor do da capital.

 

A bancada evangélica é composta pelo Vereador Edesio Fernandes,Cristiane Lopes, Joelna Holder, Pastor Sandro, Luan da Tv, o Conselho de Ministros e Pastores de Porto Velho (Comep) foi representado pelo presidente pastor Val Alves e o vice-presidente pastor Carlos Amorin, além de outras liderança.

 

O secretário de urbanização do município Edemir Brasil esteve sanando algumas dúvidas no que tange a regularização de terrenos próprios das instituições, além de explicar o projeto da prefeitura que visa organizar a cidade nos setores, comerciais, industrias, turístico, atendimento médico, iluminação pública entre outras regulamentações que o plano prevê.

 

O secretário do Meio de Ambiente de Porto Velho,Robson Damascena,esteve explicando sobre as diretrizes do cenário sustentável através das estratégias do Plano.

 

Em reunião, o conselho de pastores tiveram dúvidas explicadas para a regularização dos templos nas normas do Plano Diretor, haja vista, que a cidade de Porto Velho são inúmeras instituições religiosas.

 

O vereador republicano Pastor Edesio explica que a união é essencial para que todos estejam atentos e se alinhe de acordo com a lei, afinal, os templos estarem regulamentados oferecem mais segurança para os membros.

 

Após a reunião, foi marcado uma audiência pública, que será realizada quinta-feira(11), ás 19h, no plenário da Câmara Municipal.

 

O vereador Edesio Fernandes destaca o quanto é importante os líderes das instituições estarem na Câmara e entender para organizar as instituições.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS