BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

ENSANDECIDO: Homem faz cinco mulheres reféns e ataca duas a facadas ao ser expulso de festa

Uma equipe de negociadores da Polícia Militar teve de ser chamada

RONDONIAOVIVO

02 de Março de 2020 às 07:28

Foto: Divulgação

Equipes da Polícia Militar tiveram muito trabalho para prender Carlos P. O., 41, acusado de esfaquear duas mulheres em uma festa na Avenida Raimundo Cantuária, bairro Tancredo Neves, na zona Leste da capital de Rondônia. Ele permaneceu por horas mantendo cinco jovens reféns.

 

De acordo com informações do boletim de ocorrência, por volta das 23h30 da noite de domingo (01) policiais militares do 5° Batalhão receberam denúncia de que o homem armado com duas facas estava trancado em um apartamento mantendo cinco jovens reféns, sendo que duas delas tinham sido esfaqueadas.

 

Uma equipe de negociadores do Batalhão de Choque da Polícia Militar teve de ser chamada para manter diálogo com o homem pela janela do apartamento. Ele ameaçava colocar fogo no imóvel usando o botijão de gás e muito transtornado não deixava as jovens sair e dizia que ia matar todas.

 

Após horas de negociação, o homem libertou as vítimas e foi preso. A jovem Fernanda S. F., 24, grávida de quase nove meses, foi esfaqueada no ombro, braço e agredida com socos no rosto. Karen R. L. L., 20, levou uma facada no tórax e outra no pescoço. As duas foram socorridas em estado grave para o hospital João Paulo II.

 

Por estar grávida, Fernanda teve de ser transferida para o Hospital de Base. As outras três jovens não se feriram. Elas contaram que tudo começou quando Carlos foi convidado a se retirar da casa de uma das vítimas onde ocorria uma festa 

 

Com raiva, o homem se armou com uma faca enferrujada que estava jogada no quintal e partiu para cima das vítimas, conseguindo esfaquear duas delas. As mulheres correram para um quarto do apartamento e se trancaram. Foi neste momento, em que o homem entrou no imóvel, fechou as portas da frente e de trás e com mais uma faca passou a manter as vítimas reféns. Ele arrombou a porta do quarto que elas se escondiam e passou mantê-las reféns até a PM chegar.

 

 

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS