BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

Polícia Civil prende suspeita de mandar matar o marido

A vítima, Delmar Loretti estava em sua residência com seu filho de onze anos na noite do dia 17 de março de 2013. Ao se dirigir á porta dos fundos da casa foi alvejado por um disparo de espingarda calibre 32

Da Redação

25 de Março de 2013 às 10:14

Foto: Divulgação

A vítima, Delmar Loretti estava em sua residência com seu filho de onze anos na noite do dia 17 de março de 2013. Ao se dirigir á porta dos fundos da casa foi alvejado por um disparo de espingarda calibre 32, mesmo ferido conseguiu fechar a porta, gritou para avisar seu filho e correu para a sala, mas o homicida já estava à porta, a criança tentou fechá-la, mas foi em vão, o infrator adentrou a casa e desferiu outro disparo na vítima, que não resistiu e foi a óbito.
Policiais militares de Alto Alegre foram acionados à comparecer ao local, encontraram a criança em estado de choque e fizeram o registro da ocorrência conforme relato das testemunhas.
Determinados a esclarecer a autoria do delito, policiais civis de Santa Luzia D’Oeste e de São Francisco do Guaporé foram ao local do crime, onde fizeram a coleta de vestígios e levantaram informações importantes para as investigações.
Rapidamente surgiu a suspeita de que a companheira de Delmar, Naira P., pudesse estar envolvida, pois durante as diligências foi descoberto que dias antes do episódio criminoso a mesma esteve em uma loja agropecuária de Alto Alegre dos Parecis e adquiriu três cartuchos para espingarda calibre 32.
A partir dessa suspeita, os policiais saíram em diligência para localizar Naira, esta ao ser interrogada confessou estar envolvida na morte de seu companheiro. Informou ter contratado Vantuil G. conhecido da pela alcunha de “Tila” na cidade de São Francisco do Guaporé, para cometer o homicídio em troca de 15 sacas de café.
Diante dos fatos, o Delegado de Polícia de Santa Luzia D’Oeste representou pela prisão temporária dos suspeitos, a qual foi deferida pelo Poder Judiciário e devidamente cumprida, sendo que ambos estão recolhidos na Cadeia Pública, a disposição da justiça.
 
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS