PORTAS FECHADAS: Donos de bares e restaurantes vão entrar na justiça contra Estado e prefeituras

Eles afirmam que o único apoio que tiveram do governo estadual, na pandemia, foi a prorrogação do pagamento de impostos e que muitos estabelecimentos faliram

PORTAS FECHADAS: Donos de bares e restaurantes vão entrar na justiça contra Estado e prefeituras

Foto: Ilustrativa | Processo de higienização dos estabelecimentos que tiveram que se adaptar e conseguiram manter em funcionamento

 

A pandemia causada pela covid-19 que perdura há pouco mais de um ano, pegou a todos de surpresa. Ações impostas por estados e municípios, para evitar a proliferação do vírus, acabaram por prejudicar a economia. O setor de serviços foi um dos que mais sentiram o impacto das medidas de isolamento.

 
Entre esses merece destaque, os bares e restaurantes, que viram vários estabelecimentos fecharem as portas, deixando também muitos trabalhadores sem empregos.  
 
Segundo Associação Brasileira de Bares e Restaurantes (Abrasel), em um levantamento nacional, 72% dos estabelecimentos relataram estar em dificuldade para honrar pagamentos como impostos, aluguéis e débitos com fornecedores. Já 77% estavam trabalhando com prejuízo no mês de abril.
 
Outro exemplo da crise que atingiu o setor, devido à pandemia, são os restaurantes que fornecem comida a quilo. A associação informou que o Brasil tinha cerca de 200 mil restaurantes desse tipo espalhados por todo território nacional antes da pandemia. Hoje, a estimativa é de que este número tenha caído para 120 mil, o que representa o desaparecimento de 80 mil negócios.
 
Para amenizar os efeitos da crise no setor e para lidar com a crise econômica, uma solução foi a readaptação. Assim, vários estabelecimentos tiveram que se ajustar para conseguir fornecer e levar atendimento ao cliente, de uma maneira mais segura e que garantisse algum retorno econômico. Mas muitos não conseguiram se adaptar à nova situação do mercado e faliram.
 
Imagem ilustrativa
 
Sem apoio
 
No estado de Rondônia, o presidente da Abrasel-RO, Valdir Vargas, avaliou que parte da responsabilidade pela crise do setor também pode ser creditada às autoridades estaduais e municipais. Ele afirma que o único apoio que os empresários tiveram no estado, foi a prorrogação dos prazos de pagamento de alguns tributos, isso no início da pandemia. 
 
Em relação ao Governo Federal, Valdir disse que houve apoio na prorrogação do pagamento de tributos e recurso financeiros foram disponibilizados para os empresários do setor.
 
O presidente da Abrasel informou que a associação entrará com medidas judiciais buscando reparação dos danos causados pela política de isolamento contra a covid-19, que obrigou o fechamento de empresas do setor de serviços. 
 
"Abrasel como entidade representativa dissociada do poder público - tem atuado na orientação e suporte aos associados, intermediando e cobrando das autoridades medidas eficientes no sentido de superar a pandemia, preservando os empregos e as vidas. Estaremos entrando com ações contra os estados e municípios onde a Abrasel tem associados", disse. 
 
Valdir acredita que a vacinação é um alento para o setor que ele representa e uma esperança que não ocorra mais fechamentos devido ao coronavírus.
 
"Nossa perspectiva é que com o avanço das imunizações não haja mais regressões, mas sim retomada e crescimento da economia", finalizou.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS