BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

DESPROTEGIDOS: Servidores estão trabalhando sem EPI e alegam negligencia da prefeitura

Sem máscaras ou qualquer proteção, esses trabalhadores realizaram o sepultamento de doze cidadãos mortos pelo vírus

Rondoniaovivo - João Paulo Prudêncio

18 de Junho de 2020 às 08:41

Atualizada em : 18 de Junho de 2020 às 17:56

O desamparo de servidores públicos que trabalham na área da Saúde no município de Porto Velho em meio à pandemia de COVID-19 que já infectou mais de oito mil pessoas na cidade vem levando esses profissionais ao limite.

 

Uma grande parte deles vem trabalhando sem Equipamento de Proteção Individual – EPI, algo que é primordial para evitar o contágio e proliferação do vírus na capital do Estado.

 

Nesta última terça-feira (16) o repórter William Ferreira “Homem do Tempo”, registrou que coveiros que trabalham no cemitério público Santo Antônio estavam trabalhando sem os equipamentos de proteção.

 

Sem máscaras ou qualquer proteção, esses trabalhadores realizaram o sepultamento de doze cidadãos mortos pelo vírus desde o último final de semana.

 

Desabafo

 

 

Divulgado nas redes sociais desta quarta-feira (17) um vídeo registrado pelo motorista da Secretaria Municipal de Saúde – SEMUSA, Ivair Ferreira da Silva, infectado pelo COVID-19 explicita a pressão que esses trabalhadores sofrem diariamente e que se agravou com o surto do Coronavírus.

 

“A gente não tem amparo de nada, eu sou mais uma das vítimas, mas muitos estão aí e não perguntam se estão precisando de um remédio, ninguém vem procurar você, estou chorando não pela doença, mas porque somos muito abandonados”, afirmou Ivair Ferreira da Silva.

 

De acordo com outro motorista acionado pela reportagem, mais da metade da categoria foi contaminada, sendo que após o resultado positivo eles sequer recebem qualquer apoio da prefeitura, além de terem seus rendimentos reduzidos, pois perdem a produtividade anexada em seus rendimentos.

 

A reportagem encaminhou as imagens à prefeitura de Porto Velho através da assessoria de comunicação, mas não obteve resposta até o fechamento da matéria.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS