BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

SOFRIMENTO: Ônibus que partiu de Manaus para Porto Velho já está há seis dias BR-319

Um dos passageiros é Cleiton Vieira, está com a perna quebrada e registrou a condição da viagem

Rondoniaovivo - João Paulo Prudêncio

04 de Junho de 2020 às 17:55

Atualizada em : 09 de Junho de 2020 às 08:49

A travessia pela BR-319 no trecho Manaus – Porto Velho, continua sendo uma experiência desagradável para quem não está imbuído do espirito de aventura e apenas precisa se locomover entre essas capitais de grande relevância econômica na região Norte do Brasil. 
 
 
Um exemplo de como essa viagem pode se tornar perigosa é o caso do ônibus da viação Transbrasil que partiu às 05h deste último sábado (30) da rodoviária de Manaus (AM) com destino à capital de Rondônia, Porto Velho.
 
 
A viagem, quem em uma pista de condições normais demoraria aproximadamente 24 horas, já dura seis dias, isso por conta da péssima condição da estrada e do próprio veiculo utilizado para o transporte dos passageiros, que de acordo com mensagens encaminhadas à reportagem, está em péssima condição de manutenção. 
 
 
Um dos passageiros é Cleiton Vieira, está com a perna quebrada e registrou a condição da viagem em um vídeo encaminhado pela sua mãe que o aguarda em Porto Velho e já está aflita pela falta situação. 
 
 
“Fui três vezes à rodoviária eles não sabiam de nada, aí me deram um numero de telefone, fiquei ligando e falaram que ninguém sabia de nada e ainda me disseram que tinha que ter muita coragem de viajar nesse período”, disse Zenilda Vieira, mãe do passageiro lesionado. 
 
 
De acordo com o agente de vendas de passagens da Transbrasil, Andrey Miller, a estrada está em uma situação complicada em decorrência das chuvas dessa última semana que levam a viagem a demorar aproximadamente 72 horas ou mais, isso por conta dos fatores diversos apresentados pela estrada. 
 
 
Até o final da tarde desta quinta-feira (4) o ônibus ainda não tinha chegado em Porto Velho, a última informação é que ele havia passado pelo distrito de Realidade (AM) há aproximadamente 100 quilômetros da cidade de Humaitá.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS