BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

HOMENAGEM: No Dia do Enfermeiro, acadêmicas da Unesc falam da importância da profissão

Desde 2013 a Unesc oferece o curso superior de Enfermagem na sua unidade em Vilhena

ASSESSORIA

12 de Maio de 2020 às 16:44

Foto: Divulgação

Nesta terça-feira (12), comemora-se o Dia do Enfermeiro! Um profissional com competência técnica, científica e humana, que faz do “cuidar”, a sua missão diária!

 
Desde 2013 a Unesc oferece o curso superior de Enfermagem na sua unidade em Vilhena, sendo responsável pela formação de dezenas de profissionais que se dedicam sobremaneira para  cumprir seu juramento junto à profissão escolhida. A Unesc conta com diversos estudantes que, mesmo em meio à pandemia, tem seguido firme nos estudos da Enfermagem.
 
“Na enfermagem você é conhecimento, você é o herói que salva alguém”, destaca Ana Clara
 
Diante da experiência, e agora na faculdade estudando para se tornar uma enfermeira, Ana Clara enaltece a sua futura profissão. “A Enfermagem pra mim é o encontro da humanização e da ciência! A relação entre profissional e paciente vai muito além! É uma relação de compromisso, responsabilidade e também de empatia e humanização. Na enfermagem você é conhecimento, você é o herói que salva alguém! Muitas vezes você faz o papel de pai, amigo e até mesmo de psicólogo, pois muitos só querem ter a oportunidade de serem ouvidos… E acredite, esse pequeno gesto faz uma enorme diferença na vida de alguém! Ser enfermeiro é saber cuidar priorizando uma qualidade de vida melhor ao paciente, colocando sempre o bem estar dele em primeiro lugar. A enfermagem no decorrer dos anos conseguiu alcançar muitas metas e ainda tem muitas por vir”, ressalta.
 
Para Ana Clara Medeiros Merlim, a escolha pelo curso de Enfermagem foi bastante inspirada em profissionais que estiveram ao lado de toda a sua família quando seu avó, nos seus últimos dias de vida, pode contar com toda a atenção e carinho de enfermeiros e enfermeiras. “Percebi ao longo dos dias, o papel que o enfermeiro tem na vida de um paciente e o quanto a minha família foi grata por terem cuidado tão bem do meu avô, proporcionando dias sem dor. Essa foi a minha inspiração, ver aquele ambiente me mostrou que eu queria estar ali fazendo a diferença na vida de alguém, sendo útil e sempre estudando para oportunizar uma melhor condição de vida para alguém”.
 
E em tempos de pandemia, a profissão do Enfermeiro tem sido diariamente exaltada. “Hoje, quando o Dia do Enfermeiro é comemorado e a enfermagem trabalha arduamente lutando contra uma pandemia que está tirando a vida de muitas pessoas, inclusive de vários profissionais, cabe a nós aqui do lado de fora parabenizarmos estes profissionais não só pelo seu dia, mas também por seu papel durante o combate à pandemia. Tendo que deixar suas famílias e seus lares para cuidar do seu próximo, mesmo se colocando em risco”, concluiu Ana Clara.
 
 
 
Hoje eu escolho ser enfermeira e escolheria mil vezes mais essa profissão”, confessa Poliana Brito
 
 
Poliana Brito, de 23 anos,  também é acadêmica da Unesc. Para ela, a Enfermagem se tornou a missão da sua vida! “A Enfermagem entrou na minha vida como uma 2° opção. Como muitos jovens meu sonho era fazer medicina,  mas não foi possível e resolvi fazer enfermagem! Essa escolha me transformou, aprendi um lado dessa profissão bonita que eu não conhecia, aquele lado que temos uma relação com o paciente que só o simples fato de olhar nos olhos, cumprimentar e perguntar o que ele está sentindo, transforma  as pessoas. A enfermagem me mostrou que o título Arte do Cuidar tem que ser valorizado, pois ao executar nossa profissão  mostramos que não é só de cuidado que os pacientes precisam, mas de atenção e conforto. Hoje eu escolho ser enfermeira e escolheria mil vezes mais essa profissão”, confessa a acadêmica da Unesc.
 
De acordo com Poliana, o curso de Enfermagem mudou sua vida! “Ela realmente me mudou por completo. Sou o que sou hoje pois aprendi que ser enfermeiro não é apenas usar um jaleco branco, é acreditar que estamos ali por um bem maior, que é salvar vidas, e não é necessariamente a saúde física, mas também a mental. É cuidar dos outros como gostaríamos de ser cuidados”, completa.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS