BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

SEM LUTO – Rede Gonçalves é criticada por atitude após morte de funcionário

O crime aconteceu nesta última terça-feira (2) quando dois homens armados invadiram a unidade do supermercado Irmãos Gonçalves na avenida Calama para levar o dinheiro de uma agencia do SIM (Sistema Integrado Municipal).

Da Redação

04 de Agosto de 2016 às 08:59

Foto: Divulgação

A morte de Sócrates Rego Ribeiro, fiscal do supermercado Gonçalves, tornou-se motivo de indignação devido ao tratamento concedido aos funcionários da empresa, após terem presenciado o assassinato de um colega de trabalho em pleno horário de expediente.

O crime aconteceu nesta última terça-feira (2), quando dois homens armados invadiram a unidade do supermercado Gonçalves na avenida Calama para roubar uma agência do SIM (Sistema Integrado Municipal).

Veja mais:

ASSALTO – Fiscal do Supermercado Gonçalves é morto por dupla com tiro no peito

No momento do assalto, Sócrates tentou interceptar os criminosos e foi atingido com um disparo de arma de fogo. O fiscal foi ferido no peito e morreu antes mesmo da chegada de uma unidade do SAMU (Serviço de Atendimento Móvel em Urgência). Atônitos, clientes e funcionários assistiram toda a ação.

O fato que causou indignação de amigos da vítima e dos próprios funcionários do supermercado foi que logo após o rabecão deixar o local, a empresa retornou com as atividades sem nenhuma demonstração de pesar ou preocupação pelo abalo psicológico causado aos colaboradores.

Na quarta-feira (3), um dia após a morte de Sócrates, o clima dentro da empresa era de consternação e tristeza, um dos funcionários afirmou que o colega de trabalho havia sido enterrado e nenhum deles foi sequer liberado para acompanhar o velório ou sepultamento.

Logo após a morte do nosso amigo fomos obrigados a retornar ao trabalho sem nenhuma espécie de preocupação da empresa. Estamos trabalhando com pesar, pois o Sócrates era uma pessoa muito querida entre a gente”, disse uma atendente do supermercado à reportagem.

A vitima era conhecida por seus colegas de trabalho pelo seu bom humor com todos dentro da empresa.

Nas redes sociais foram registrados protestos contra a empresa. Veja:

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS