ESPAÇO ABERTO: DNIT joga dinheiro fora onde há redutor permanente de velocidade

ESPAÇO ABERTO: DNIT joga dinheiro fora onde há redutor permanente de velocidade

Foto: Divulgação

PENEIRA NO SOL
 
O que o DNIT fez na avenida Jorge Teixeira, BR-319, é uma verdadeira demonstração de que existe dinheiro sobrando no caixa e não há onde gastar.  O Departamento instalou dois radares de velocidade poucos metros antes da rotatória com a Imigrantes.
 
PERIGO
 
É obvio que a avenida tem pontos críticos, onde há a necessidade da instação de dispositivos que sirvam para tentar conter excessos de velocidade e outros abusos que são cometidos no dia a dia. Mas exatamente naquele local é algo que merece ser analisado.
 
PONTUAL
 
No ponto onde foram instalados os dois radares é completamente desnecessário o investimento, e olha que eu não sou engenheiro de tráfego para perceber isso. Embora para análise de burrice não haja necessidade de graduação.
 
PONTO
 
Mesmo imaginando que sempre é possível encontrar condutores de veículos imbecis e irresponsáveis, achar um Kamikaze é algo muito improvável. 
 
DEVAGAR
 
O cruzamento da Jorge Teixeira com a Imigrantes, por sí só, já é motivo de baixa velocidade, pois alí é uma rotatória. Como ainda não há nenhum veículo em Porto Velho com asas, dificilmente  alguém com a sanidade em dia, seguindo pela Jorge Teixeira, irá se aproximar do local em alta velocidade.
 
NATURAL
 
Outro impedimento para alta velocidade naquel local está na foto em destaque. Quase cabe um pneu dentro do buraco, então não parece muito lúcido se aventurar em destruir um veículo pelo prazer de cruzar a via correndo.
 
 
PONTUAIS
 
Aliás, a buraqueira crônica da Jorge Teixeira já é redutor natural de velocidade. Os motoristas da nossa cidade já conhecem de "cabo a rabo" o trecho, bem como próprio DNIT que entende que é melhor comprar extintor para apaguar incêndio na caixa d` àgua do que efetivamente fazer o que é óbvio.
 
 
GASTO
 
O superintendente do DNIT/RO André Lima dos Santos, ficou de repassar os valores do investimento nos tais radares, mas não o fez até o fechamento dessa edição.
 
CORRUPÇÃO
 
A população de Jaru, 280km de Porto Velho, foi surpreendida com  denúncias de supostos superfaturamento na compra de peças e contratação de serviços para manutenção da frota da Prefeitura.
 
QUEIMA
 
Além disso, servidores que alertaram sobre as irregularidades estariam sendo perseguidos e ameçados. Um Secretário Municipal estaria atuando para adulterar computadores e ocultar provas.
 
INTIMIDAÇÃO
 
Na quinta-feira (17/03),  por volta de 08 da noite, um funcionário de carreira teria sido  obrigado pelo Secretário Executivo da Secretaria Municipal de Infraestrutura e Serviços – SEMINSP, Chrystian Barbosa Figueiredo, à  trocar fechadura da porta onde funciona o setor de licitação e peças e serviços.
 
INTIMIDAÇÃO 2
 
Na mesma noite, conforme as denúncias, o secretário Chrystian teria determinado a um vigia que permanecesse no setor integralmente. Medida que seria incomum na logística administrativa da prefeitura.
 
TEM MAIS
 
Na manhã do dia seguinte, um servidor comissionado do setor de Tecnologia da Informação , que estaria cumprindo ordens  do Diretor do setor de TI, teria ido até o local retirar o computador que contém toda a movimentação de licitações,  sem a presença do responsável pelo setor.
 
AFASTAMENTO
 
Logo após esse fato, o Chefe de Gabinete do prefeito teria assinado aviso de férias para todos os comissionados do setor de compras e licitação da garagem municipal da Prefeitura de Jaru.
 
 
OUTRO LADO
 
O prefeito João Gonçalves informou que não há nenhuma irregularidade nos procedimentos. Ele disse que comissionados que não apresentam produtividade são exonerados.  Simples assim.
 
 
 
OUTRO LADO 2
 
O prefeito joãozinho destaca ainda que as denúncias estariam sendo feitas por um sindicalista que foi dispensado por não querer trabalhar. De qualquer forma, o prefeito afirma pediu uma apuração de todos os questionamentos pontuados pelo denunciante.
 
OPINIÃO
 
Age corretamente o prefeito ao mandar exonerar comissionado folgado que não trabalha. Se todos os órgãos  públicos acompanhassem produtividade de servidor, teríamos uma prestação de serviço mais eficiente.
 
 
DECISÃO
 
O STJ proibiu  a busca e apreensão de veículos e determinou ainda a a suspensão de processos em todo o país. A medida diz respeito ao recurso repetitivo 1.132 que envolve os bancos.
 
DECISÃO 2
 
O Superior Tribunal de Justiça está para decidir se os bancos são obrigados a notificar pessoalmente os devedores, mesmo a pessoa sabendo que está devendo. É óbvio que quem deve sabe que precisa honrar o compromisso.
 
RECONHECIMENTO
 
O STJ vai dizer se a notificação precisa da assinatura pessoal do devedor ou se é valida a assinatura de terceiros, como síndico, vigia, porteiro do condomínio, etc. 
 
INVÁLIDO
 
Diante da polêmica, o STJ determinou que haja o recolhimento dos mandados de busca e apreensão, que já estariam autorizados, até que a questão seja votada. Agradeço ao advogado Gabriel Tomaseti pelos esclarecimentos em relação ao tema.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

E M M M de Barros

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS