ESPAÇO ABERTO: Até quem trabalha na saúde sofre com a desinformação

Confira a coluna de Cícero Moura

ESPAÇO ABERTO: Até quem trabalha na saúde sofre com a desinformação

Foto: Divulgação

4 DÉCADAS
 
Desde 12 de janeiro o servidor público estadual da saúde, Franciomar dos Santos Rocha, que dedicou 40 anos ao Estado de Rondônia trabalhando como técnico de raio-x no Hospital de Base, vive uma agonia. Ele desenvolveu um abcesso na perna esquerda, provocado por bactérias. 
 
REDE PÚBLICA
 
Diabético, com 60 anos, sem plano de saúde, Franciomar  foi buscar tratamento no SUS. Internado no Hospital João Paulo II ele já passou por cinco procedimentos cirurgicos na perna.
 
ALÍVIO
 
Depois de muitas dores, noites sem dormir e quando começava a se recuperar, recebeu a ótima notícia, na tarde da última sexta-feira (29), que iria para o hospital Santa Marcelina, com estrutura e atendimento melhores.
 
DESOLADO
 
No domingo, o aposentado recebeu uma péssima notícia. O médico que lhe atendeu no Santa Marcelina disse que ele não poderia ficar internado pois a instituição não é preparada para atender pacientes com problemas como o de seu Franciomar. O médico indicou transferência para o Hospital de Base.
 
DESRESPEITO
 
O posicionamento do médico plantonistas revoltou a família. Não pelo diagnóstico, mas pela falta de humanidade de quem deveria zelar pelo bem estar das pessoas. Ora, se o hospital não tem estrutura para atender o paciente por quê o encaminharam para lá? 
 
INDIGNAÇÃO
 
Em mensagem, o senhor Franciomar desabafou: não entendo esse jogo de empurra-empurra. Fiquei 17 dias sofrendo no João Paulo. Quando comecei a melhorar, me mandaram pra cá. Aí forcei demais o corpo no transporte de ambulância, voltaram as fortes dores. Mas agora, estou melhor.
 
INDIGNAÇÃO 2
 
Segue o desabafo: - Eu entendo que no João Paulo é um tratamento mais agressivo e aqui no Santa Marcelina seria mais clínico. O médico diz que a transferência pode ser a qualquer momento ou daqui uma semana. Eles disseram que, caso eu precise de uma nova limpeza, o centro cirúrgico do Santa Marcelina só atende pessoas jovens sem comorbidades. 
 
INDIGNAÇÃO 3
 
Franciomar reforça que a culpa não é do Santa Marcelina, mas da falta de planejamento do Governo do Estado e da Secretaria de Saúde. Se sabiam que o centro cirúrgico do Santa Marcelina não era adequado, por quê então fazer a transferência para o local.
 
MEDO
 
O aposentado enfatiza ainda que uma conhecida do filho dele que tinha leucemia, foi até o HB fazer o tratamento. Tinha 16 anos de idade, pegou o vírus e morreu! “Ser diabético é uma sentença de morte com a Covid”!, argumenta seu Franciomar.
 
OUTRO LADO
 
A Secretaria de Estado da Saúde disse que vai apurar as razões da transferência do aposentado para o Santa Marcelina. De acordo com a Sesau, normalmente quando se trata de curativos pós operatório os pacientes são encaminhados para o Santa Marcelina. 
 
PRESIDENTE
 
O deputado Alex Redano (Republicanos), foi empossado presidente da Assembleia Legislativa, durante sessão especial, na manhã desta segunda-feira (01), com a presença apenas de parlamentares e de servidores. Junto com Redano, tomaram posse os novos membros da mesa diretora da Assembleia Legislativa, para o biênio 2021/2023.
 
EQUIPE
 
Além de Redano, integram a nova mesa diretora os deputados: Jean Oliveira (MDB), 1º vice-presidente; Marcelo Cruz (Patriota), 2º vice-presidente; Jair Montes (Avante), 1º secretário; Cirone Deiró (Podemos), 2º secretário; Alex Silva (Republicanos), 3º secretário e Cabo Jhony Paixão (Republicanos), 4º secretário.
 
META
 
Alex Redano disse que um dos grandes objetivos na presidência será aproximar mais o Parlamento da população. Redano entende que há um vácuo entre o povo e seus representantes e isso precisa mudar.
 
LINHA DE DUAS MÃOS
 
O deputado Redano enfatiza que à Assembleia está de portas abertas para receber a população como acontece no período que antecede um pleito, quando os candidatos vão atrás das pessoas apresentar suas propostas. 
 
COMUNICAÇÃO
 
O novo presidente também entende que o Parlamento precisa profissionalizar sua comunicação para fazer com que o povo tenha interesse em acompanhar tudo que acontece na casa de leis.
 
PAULATINAMENTE
 
“É um trabalho que precisa ser construído e com calma, disciplina e organização vamos conseguir promover essa interação e deixar o parlamento ainda mais acessível. Também precisamos criar alternativas sociais que levem serviços e benefícios gratuitos ao povo que às vezes enfrenta burocracia e espera para obter um simples documento pessoal”, finaliza Alex Redano.
 
DESTAQUE
 
O Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) de Rondônia obteve resultado excepcional na média nacional no Sistema de Avaliação da Educação Profissional (SAEP), que avalia as competências e habilidades dos alunos dos cursos oferecidos pelo SENAI em todo o Brasil. A média Brasil do Idap, indicativo que mede o desempenho da educação profissional, foi de 7,8 e o SENAI-RO obteve 8,6, ou seja, 10,25% acima da média nacional.
 
UMA DÉCADA
 
O sistema de Avaliação dos cursos do SENAI foi instituído há 10 anos e, além de avaliar o aprendizado, também serve de parâmetro para qualificar a gestão, infraestrutura e capacidade técnica e pedagógicas das escolas técnicas. E em Rondônia participaram alunos de todas as unidades do estado.
 
COMEMOROU
 
Os resultados foram recebidos com satisfação pelo presidente da Federação das Indústrias de Rondônia, Marcelo Thomé. “Isso é resultado de muito trabalho de todos aqueles que se dedicaram na preparação dos nossos alunos. Dentro dos cursos avaliados nesta edição do SAEP, somos o melhor SENAI do Brasil em qualidade de ensino profissional”, destacou.
 
CRITÉRIOS
 
O coordenador de Educação Básica e Profissional SESI-SENAI-IEL de Rondônia, Jair Coelho explicou que O SAEP é composto de provas teóricas e práticas e abrange os conteúdos baseados nos itinerários nacionais dos cursos técnicos.
 
PARTICIPANTES
 
Nesta edição, o SAEP avaliou os alunos dos seguintes cursos: Manutenção automotiva, Eletromecânica, Segurança no Trabalho, Eletrotécnica, Refrigeração e Climatização, Administração, Logística, Qualidade e Eletroeletrônica.
 
QUALIFICAÇÃO
 
O superintendente do SESI-IEL e diretor regional do SENAI-RO, Alex Santiago, disse que diante do alto nível atingido pelos alunos, o grande beneficiado é a indústria que vai absorver profissionais qualificados.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS