MÚSICA: Por que o heavy metal foi e continua sendo associado ao satanismo?

De onde vem a associação do metal, heavy metal ou qualquer tipo de música pesada com o satanismo, o diabo ou algo maligno? Psicólogo especialista na área explica.

MÚSICA: Por que o heavy metal foi e continua sendo associado ao satanismo?

Foto: Divulgação

As bandas que começaram a explorar um som mais sombrio e agressivo a partir dos anos 60, como Black Sabbath, Led Zeppelin e Judas Priest, usavam de temas e ícones religiosos nas letras e na estética geral. É o que faz hoje, por exemplo, o Ghost com sua narrativa papal.
 
O diabo, no contexto religioso, representa um poder assustador, um ser vingativo que controla o inferno. Parece algo que você já ouviu em uma música de metal, não? Esses temas simplesmente funcionam para o rock, e as bandas só estão brincando com isso.
 
Mas por que tanta gente acreditou e ainda acredita que fãs de metal são satanistas, chegando a culpá-los por atos violentos e até crimes?
 
Em um artigo publicado na Loudwire, o psicólogo Steve Byrne, que ensina Psicologia do Heavy Metal e do Punk em universidades, tentou explicar alguns dos motivos.
 
Primeira razão: simplificar problemas complexos
 
Existem muitas razões para questões complexas como a violência e o ódio, e todas elas são bastante complexas e difíceis de compreender. Segundo o professor Steve Byrne, a mente humana tende sempre a buscar um “bode expiatório” para evitar tratar de problemas que exigem um esforço real.
 

Em vez de discutir enquanto sociedade as melhorias que poderíamos fazer para reduzir a violência, pode ser mais fácil culpar alguém fragilizado, uma minoria, uma pessoa estigmatizada ou que está à margem.

 

É nesse caso que se encaixa o metal, que por sua vez sempre — ou quase sempre — cumpriu o papel de contracultura, sendo questionador e provocativo na maioria dos casos. A própria simbologia satanista, claro, entra nesse aspecto e acaba gerando uma eterna associação entre duas coisas que não têm, necessariamente, nada a ver uma com a outra.

 

Outra possibilidade: discursos extremistas
 
 
Ainda de acordo com Byrne, qualquer tipo de extremismo, seja ele social, político ou religioso, costuma escolher um “inimigo” para ser a fonte de todo o mal, da corrupção e da violência.
 
 
Para suportar sua narrativa, esses grupos extremistas tendem a espalhar mensagens falsas e discurso de ódio. Aí, as letras “satânicas” do rock se tornam um alvo fácil, especialmente depois que bandas como Metallica e Iron Maiden ganharam grande popularidade, mesmo com inúmeras explicações sobre os temas abordados.
 
 
O autor conclui dizendo que a música é uma importante ferramenta para as pessoas processarem emoções difíceis, se sentirem pertencentes a algum grupo ou só mostrarem algum talento musical incrível. E isso jamais pode ser criminalizado.
 
 
E você, acha que essa associação de rock com violência ainda existe? Você pode ler o artigo completo aqui.
Direito ao esquecimento

Quem você acha que será campeão do Brasileirão 2022?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS