BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

QUADRINHOS: Adaptação de ‘1984’ para HQ tem existência autônoma do livro de George Orwell

1984 é uma ficção científica distópica sobre um governo fascista e tirano que controla o fluxo de informações, distorce fatos e persegue, tortura e mata cidadãos com algum pensamento minimamente crítico

Itaú Cultural

28 de Dezembro de 2020 às 09:23

Uma boa adaptação tem como característica básica a autonomia de existência em relação à obra que a inspirou. Seja a adaptação de um livro para um filme, de um conto para uma peça, de uma música para uma HQ ou o que for. Ela pode seguir à risca o enredo da obra original e reproduzir elementos presentes nesse trabalho prévio, mas isso não é essencial. Eu pelo menos não me importo com fidelidade.

 

Nunca li o livro 1984, de George Orwell. Já vi a adaptação para o cinema, lançada em 1984, dirigida por Michael Radford e protagonizada por John Hurt. Assim, a recém-lançada adaptação do livro – publicado em 1949 – para quadrinhos, assinada por Fido Nesti e publicada pela Companhia das Letras, foi uma experiência de leitura apenas quase inédita para mim. Conheço a trama do livro e reconheço a fidelidade da adaptação ao clássico de Orwell, mas trata-se de uma HQ plenamente autônoma.

 

O 1984 de Fido Nesti independe de um contato prévio do leitor com o texto de Orwell para funcionar. “Vou atrás do equilíbrio, imprimindo a minha assinatura e ao mesmo tempo tendo o cuidado de manter a essência da obra”, me diz Nesti ao falar sobre suas prioridades ao trabalhar em uma adaptação.

 

Antes de 1984 ele lançou em 2006 Os Lusíadas em Quadrinhos (Peirópolis), adaptando o texto de Luís de Camões, e participou em 2007 da coletânea Irmãos Grimm em Quadrinhos (Desiderata), transformando em quadrinho a clássica A Gata Borralheira.

 

Nesti diz evitar ao máximo qualquer intervenção nos textos originais adaptados por ele. A etapa inicial de seus trabalhos em projetos do tipo consiste em encontrar blocos de palavras que façam sentido como uma sequência de uma mesma página. Depois ele transforma esse texto em desenhos, misturando pesquisas e impressões sobre a obra original com referências e memórias pessoais.

 

Entre as lembranças que impactaram o desenvolvimento de seu 1984 estão aquelas de seu primeiro contato com o livro de Orwell: “Foi exatamente em 1984, com um exemplar emprestado do meu irmão, que havia acabado de ler a obra como parte do currículo escolar. Eu tinha 13 anos e a ditadura ainda estava para acabar. O texto do Orwell soou como um alarme e me fez perceber com mais clareza o que se passava à minha volta”.

 

1984 é uma ficção científica distópica sobre um governo fascista e tirano que controla o fluxo de informações, distorce fatos e persegue, tortura e mata cidadãos com algum pensamento minimamente crítico. O protagonista é Winston Smith, funcionário do governo que passa a questionar as imposições das autoridades locais, representadas na figura do líder Grande Irmão.

São vários os paralelos entre a realidade de Winston e o atual contexto político-social brasileiro. Nesti chama atenção principalmente para o descaso com a democracia e o descrédito com a ciência.

 

“Foi engatada uma forte marcha à ré e tipos curiosos estão saindo dos porões, gente que não acredita na ciência, nas vacinas, engolem tudo o que o novo governo fala e juram que estão pisando em uma Terra plana”, lamenta o autor. “Durante o trabalho me vi envolto em pelo menos três distopias: o próprio 1984, a pandemia e o governo brasileiro. Seria uma ‘tristopia’? Nos ‘tristes trópicos’?”

 

Nesti diz ter topado o convite de seus editores para adaptar 1984 principalmente porque ela nunca havia sido feita. Setenta anos após o lançamento do livro de Orwell, essa é a primeira versão para a linguagem dos quadrinhos.

 

“Já foram produzidas adaptações para rádio, teatro, televisão e cinema, nunca para os quadrinhos”, me responde o autor, já emendando o outro motivo para ter topado a empreitada. “E também porque, infelizmente, o livro continua a encontrar ecos cada vez mais fortes em nossos tempos, parece cada vez mais relevante. Apresentar o texto nessa linguagem ainda inexplorada pode ajudar a espalhar ainda mais a mensagem de Orwell.”

 

Foram um ano e oito meses com Nesti focado quase exclusivamente na produção de 1984. As exceções foram ilustrações e cartuns para o jornal Folha de S.Paulo, mas ele recusou todas as outras propostas de trabalho vindas durante seu período dedicado à adaptação. Os 20 meses englobam suas leituras iniciais, releituras, anotações, pesquisas, roteiros, esboços, finalização, colorização e letreiramento.

 

Ele fez seus esboços com lapiseira, finalizou no nanquim, escaneou e coloriu no Photoshop. “Como se tratava de uma releitura, depois de quase 40 anos, foi interessante ver o que a memória ia puxando sobre as primeiras impressões”, lembra o autor sobre as etapas iniciais desse trabalho. “Nas leituras seguintes fui anotando e roteirizando capítulo por capítulo, sem deixar nenhum de fora – todos os 24 capítulos estão na adaptação. E o maior desafio foi este, sintetizar um grande volume de texto sem deixar apagar a sua alma.”

 

O grande volume de texto da adaptação de Nesti responde à exigência dos herdeiros de Orwell pela maior fidelidade possível aos escritos do autor. Ele sintetizou algumas passagens, transformou outras em imagens, mas preservou ao máximo o original. Ainda assim, vejo essa alma da HQ nas paginações blocadas, enrijecidas como a realidade de Winston Smith, e na paleta de cores sombrias escolhida pelo artista.

 

“O tempo cinzento de Londres, os tons dos tijolos das casas vitorianas, alguns exemplos de arquitetura brutalista, tudo isso ajudou na escolha das cores”, explica o quadrinista. “Usei nanquim aguado para reforçar esses tons e criar volumes e sombras. O vermelho usado em certas passagens, praticamente monocromáticas, representa o estado de espírito de Winston Smith. Sensações que procurei transferir para o leitor; de angústia, desespero, terror.”

 

Também pesaram nessa ambientação da HQ o período de um ano, entre 2000 e 2001, em que Nesti viveu em Londres, cenário da história de Orwell. “Certamente o contato diário com o povo inglês e minhas intermináveis caminhadas pela cidade tiveram influência no modo como desenhei os personagens, figurantes e cenários, de alguma forma. Acumulei muitos tijolos, chaminés e postes de ferro fundido nas gavetas da memória.”

 

Sua juventude nos anos 1980 também o ajudou na construção do cenário imaginado pelo autor da obra original. Mesmo com a humanidade sendo mais vigiada hoje, graças a tecnologias que Orwell jamais poderia ter imaginado em 1949, Nesti se propôs a ilustrar com fidelidade o futurismo anacrônico retratado pelo autor – carregado de fumaça, iluminado por lampiões e com TVs rudimentares.

 

1984 é um dos grandes quadrinhos brasileiros de 2020. A versão nacional foi lançada simultaneamente a edições em francês, inglês, espanhol, português de Portugal e outros idiomas.

 

É uma obra que, em sua essência, retrata a luta por uma existência autônoma ante um governo fascista. “Uma das frases mais marcantes, para mim, saem da boca do Winston, lá pelo meio do livro: ‘Se conseguir sentir que vale a pena continuar humano, mesmo que isso não tenha a menor utilidade, você os venceu’”, me chama atenção Nesti para um dos momentos-chave da obra de Orwell.

 

“Acho que os governos totalitários e sua vigilância cada vez mais presente e manipuladora têm a missão de nos deixar menos humanos. As ‘teletelas’ estão agora em nossas mãos, o tempo todo, em forma de celulares, nos observando. A privacidade foi para o espaço. Acho que 1984 serve como um poderoso alerta, mostrando o quanto podemos perder se continuarmos a fechar os olhos para o que já está na nossa frente.”

 

 

Painel de Baque, série de Jota Mendes compartilhada no Instagram do autor (imagem: divulgação)

Três perguntas para… Jota Mendes, autor de Caco, Caramelo Quatro e Baque

 

A entrevista que fecha a edição de dezembro de 2020 da Sarjeta é com o quadrinista Jota Mendes. Recomendo fortemente sua série Baque, publicada de graça no perfil do autor no Instagram.

 

O que você vê de mais especial acontecendo na cena brasileira de quadrinhos hoje?

 

Acho muito forte ver uma imensa variedade de quadrinistas hoje no Brasil fugindo do modelo tradicional de desenho, de narrativa e de temas. Se apropriando dessa linguagem para abordar lutas, para tocar com um olhar muito pessoal em tópicos que não costumam ser vistos nas HQs e pôr em pauta conversas que vão para fora do círculo nerd/geek.

 

O que mais o interessa hoje em termos de histórias em quadrinhos?

 

Hoje em dia, algo que se comunica comigo, mais do que uma pretensão técnica ou exibicionismo acadêmico, é uma capacidade de síntese gráfica, um desenho que me traz referências estéticas que vão para além de uma retroalimentação de quadrinhos. Um olhar especial para converter e expressar vivências de uma forma íntima e sensorial.

 

Qual a memória mais antiga que você tem da presença de quadrinhos na sua vida?

 

Heróis e Turma da Mônica é algo que inicia muita gente nesse mundinho. Mas uma memória muito vívida para mim foi quando, com 7 anos, passei em frente de uma banca e vi o volume 5 de Cavaleiros do Zodíaco, que na época saía pela editora Conrad. Uma capona vermelha, umas labaredas atrás e o Ikki pronto para brigar era tudo que uma criança queria ver. Depois dali, por muitos anos, mangá foi algo que me acompanhou e me serviu de inspiração estética.

Direito ao esquecimento

Mais Lidas da Semana

MAIS NOTÍCIAS