BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

DOCUMENTÁRIO: Mestre Sirso: Quando o mundo é silêncio a vibração é Mestre, de Emanuela Palma

O filme, dirigido pela jornalista que morou em Porto Velho, dá visibilidade à história de um homem negro, surdo e sua luta contínua por inclusão, que representa a luta de muitos outros negros e surdos no Brasil.

Assessoria

03 de Novembro de 2020 às 08:01

Atualizada em : 03 de Novembro de 2020 às 10:10

Foto: Divulgação

O documentário “Mestre Sirso: Quando o mundo é silêncio a vibração é Mestre”,com direção da  jornalista Emanuela Palma, que morou em Porto Velho durante alguns anos, está entre os 24 projetos selecionados pelo Programa Matchfunding BNDES + Patrimônio Cultural para participar da campanha de financiamento coletivo. A diretora vive atualmente no Rio de Janeiro.

 

Assim como na versão anterior em 2019, para cada R$ 1 real arrecadado com a rede de apoio do projeto, o BNDES dá match e doa mais R$ 2, triplicando o valor.

 

 

 O comitê de seleção levou em conta critérios como impacto, inovação, perenidade, custo-benefício e viabilidade técnica das propostas, bem como o perfil do proponente e o potencial de arrecadação projeto.

 

Negro e surdo

 

O filme “Mestre Sirso: Quando o mundo é silêncio a vibração é Mestre” dará visibilidade à história de um homem negro, surdo e sua luta contínua por inclusão, que representa a luta de muitos outros negros e surdos no Brasil.

 

O projeto também promove a Capoeria como espaço de formação, construção de identidade e um poderoso recurso terapêutico, além de reafirmá-la como manifestação cultural, reconhecida como Patrimônio Cultural e Imaterial da Humanidade pela Unesco.

 

A história de Sirso

 

Morador da periferia de Cascavel, no Paraná, Sirso perde a audição aos quatro anos de idade, vítima de meningite, durante a epidemia que atingiu o Brasil, em 1974. A transformação em sua trajetória começa na adolescência quando entra na Roda de Capoeira e sente a vibração para romper seu silêncio. O estímulo vem do professor na época, que segue como seu Mestre de Capoeira e na vida, o Mestre Mestrinho.

 

Na trajetória de negro e surdo de Sirso, aCapoeira é arte, experiência educativa e terapêutica, que se reafirma como manifestação cultural, espaço de formação e liberdade de expressão. Essa experiência individual mostra como a Capoeira promove a cultura popular brasileira e transfigura vidas. Uma luta, um jogo, uma dança que ensina o respeito na convivência entre diferentes, seja nos centros urbanos ou nas periferias.

 

Capoeira e Inclusão

 

A inclusão de pessoas surdasnos espaços é um desafio social coletivo. Mestre Mestrinho incentivou Sirso entrar na Roda de Capoeira e valorizou suas "eficiências", o que possibilitou o desenvolvimento da fala e de capacidades desconhecidas. A luta por inclusão continua. Sirso desenvolve a fala, aprende a tocar os instrumentos da Capoeira, torna-se Mestre, faz a faculdade de Educação Física e cursa especialização na mesma área.

 

O sonho de Mestre Sirso é trabalhar na educação, como professor de Capoeira, mas continua como serviço geral em uma ONG. A realização deste documentário permitirá que a história dele tenha visibilidade além das fronteiras da cidade de Cascavel. O filme convida o espectador a refletir sobre os processos educacionais enfrentados pelas pessoas com deficiência auditiva, na trajetória incomum de Mestre Sirso e sua insistência em buscar o aprendizado, lutando pela inclusão dos surdos na Capoeira, na sala de aula, no mercado de trabalho e na sociedade.

 

Campanha de Financiamento Coletivo

 

A campanha será lançado no dia 5 de novembro e vai até 15 de dezembro de 2020, no site da Benfeitoria, parceira do programa Matchfunding BNDES+.

 

O valor mínimo para doação é de R$ 20,00 e há recompensas incríveis para cada contribuição. A produção do filme é Palma Imagem e Carnevale Produções.

 

“Acreditamos na potência do coletivo, por isso optamos por essa forma de captação para a produção do filme. Envolver mais pessoas na realização do projeto é ampliar o olhar para a inclusão”, destaca a diretora do documentário.

 



 

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS