NOVO REI: Charles faz discurso onde homenageia mãe, Camila e filhos

Rainha Elizabeth II, a monarca mais longeva do Reino Unido, faleceu na última quinta-feira (8); Charles também prometeu servir com "lealdade, respeito e amor"

NOVO REI: Charles faz discurso onde homenageia mãe, Camila e filhos

Foto: Divulgação

 

Durante o primeiro pronunciamento televisionado como rei do Reino Unido, Charles III homenageou a mãe, elogiou Camilla, William e expressou “amor a Harry e Meghan”. Ele reforçou que a rainha Elizabeth II foi “inspiração para mim e toda a família”. (leia o discurso completo abaixo)
 
“Ela fez sacrifícios pelo dever. Sua dedicação e devoção como Soberana nunca cederam, em tempos de mudança e progresso, em tempos de alegria e celebração, e em tempos de tristeza e perda. Em sua vida de serviço, vimos aquele amor permanente pela tradição, junto com aquele abraço destemido do progresso, que nos torna grandes como nações. O carinho, admiração e respeito que ela inspirava tornaram-se a marca registrada de seu reinado”, afirmou.
 
Também quero expressar meu amor por Harry e Meghan, enquanto eles continuam construindo suas vidas no exterior”, adicionou em outro momento.
 
O rei prometeu ainda “defender os princípios constitucionais no coração da nossa nação” e servir aos súditos “qualquer que seja sua origem ou crença, com lealdade, respeito e amor”.
 
Charles se tornou imediatamente rei após a morte da mãe, a rainha Elizabeth II, nesta quinta-feita (8). No entanto, a proclamação oficial da ascensão será feita neste sábado (10) em reunião do Conselho de Adesão no Palácio de St. James.
 
Após a reunião, haverá a proclamação da varanda do palácio. A coroação deve acontecer em até um ano.
 
Nesta sexta-feira (9), foram iniciados os lutos real e nacional. O luto real será observado por “membros da família real, funcionários da casa real e representantes da casa real em funções oficiais, juntamente com tropas comprometidas com deveres cerimoniais”, segundo comunicado do Palácio de Buckingham. Ele acontecerá até sete deias após o funeral da rainha.
 
Leia o discurso na íntegra
 
Falo com vocês hoje com sentimentos de profunda tristeza. Ao longo de sua vida, Sua Majestade, a Rainha – minha amada mãe – foi uma inspiração e um exemplo para mim e para toda a minha família, e devemos a ela a dívida mais sincera que qualquer família pode ter para com sua mãe; por seu amor, carinho, orientação, compreensão e exemplo.
 
A rainha Elizabeth teve uma vida bem vivida; uma promessa cumprida com o destino, e ela é lamentada profundamente por sua morte. Essa promessa de serviço ao longo da vida eu renovo a todos vocês hoje.
 
Juntamente com a dor pessoal que toda a minha família está sentindo, também compartilhamos com muitos de vocês no Reino Unido, em todos os países onde a Rainha foi Chefe de Estado, na Commonwealth e em todo o mundo, um profundo sentimento de gratidão pelos mais de 70 anos em que minha mãe, como rainha, serviu o povo de tantas nações.
 
Em 1947, em seu aniversário de 21 anos, ela prometeu em uma transmissão da Cidade do Cabo para a Commonwealth dedicar sua vida, curta ou longa, ao serviço de seus povos. Isso foi mais do que uma promessa: foi um profundo compromisso pessoal que definiu toda a sua vida. Ela fez sacrifícios pelo dever.
 
Sua dedicação e devoção como Soberana nunca cederam, em tempos de mudança e progresso, em tempos de alegria e celebração, e em tempos de tristeza e perda. Em sua vida de serviço, vimos aquele amor permanente pela tradição, junto com aquele abraço destemido do progresso, que nos torna grandes como nações. O carinho, admiração e respeito que ela inspirava tornaram-se a marca registrada de seu reinado.
 
E, como todos os membros da minha família podem testemunhar, ela combinou essas qualidades com cordialidade, humor e uma capacidade infalível de sempre ver o melhor nas pessoas.
 
Presto homenagem à memória de minha mãe e honro sua vida de serviço. Eu sei que a morte dela traz grande tristeza para muitos de vocês e compartilho esse sentimento de perda, além da medida, com todos vocês. Quando a rainha subiu ao trono, a Grã-Bretanha e o mundo ainda estavam lidando com as privações e as consequências da Segunda Guerra Mundial, e ainda vivendo de acordo com as convenções de tempos anteriores.
 
Nos últimos 70 anos, vimos nossa sociedade se tornar uma entre muitas culturas e muitas crenças. As instituições do Estado, por sua vez, mudaram. Mas, através de todas as mudanças e desafios, nossa nação e a família mais ampla de Reinos – de cujos talentos, tradições e realizações estou tão inexprimivelmente orgulhoso – prosperaram e floresceram. Nossos valores permaneceram e devem permanecer constantes.
 
O papel e os deveres da Monarquia também permanecem, assim como o relacionamento e a responsabilidade particular do Soberano para com a Igreja da Inglaterra – a Igreja na qual minha própria fé está tão profundamente enraizada. Nessa fé e nos valores que ela inspira, fui educado para nutrir um senso de dever para com os outros e para manter o maior respeito pelas preciosas tradições, liberdades e responsabilidades de nossa história única e nosso sistema de governo parlamentar.
 
Como a própria rainha fez com tanta devoção inabalável, eu também agora solenemente me comprometo, durante o tempo restante que Deus me conceder, a defender os princípios constitucionais no coração de nossa nação. E onde quer que você viva no Reino Unido, ou nos Reinos e territórios em todo o mundo, e qualquer que seja sua origem ou crenças, eu me esforçarei para servi-lo com lealdade, respeito e amor, como tenho feito durante toda a minha vida.
 
É claro que minha vida mudará à medida que assumo minhas novas responsabilidades. Não será mais possível dedicar tanto do meu tempo e energia a instituições de caridade e questões pelas quais me importo tão profundamente. Mas sei que este importante trabalho continuará nas mãos de outros.
 
Este também é um momento de mudança para minha família. Conto com a ajuda amorosa da minha querida esposa, Camilla. Em reconhecimento ao seu próprio serviço público leal desde nosso casamento há 17 anos, ela se torna minha rainha consorte.
 
Sei que ela atenderá às exigências de seu novo papel a devoção inabalável ao dever em que confio tanto. Como meu herdeiro, William agora assume os títulos escoceses que tanto significaram para mim.
 
Ele me sucede como Duque da Cornualha e assume as responsabilidades pelo Ducado da Cornualha, que assumi há mais de cinco décadas. Hoje, tenho orgulho de criá-lo Príncipe de Gales, Tywysog Cymru, o país cujo título tive o privilégio de ostentar durante grande parte da minha vida e dever.
 
Com Catherine ao lado dele, nosso novo príncipe e princesa de Gales, eu sei, continuarão a inspirar e liderar nossas conversas nacionais, ajudando a trazer os marginais para o centro, onde uma ajuda vital pode ser dada.
 
Também quero expressar meu amor por Harry e Meghan, enquanto eles continuam construindo suas vidas no exterior.
 
Em pouco mais de uma semana, nos reuniremos como nação, como Commonwealth e, de fato, como comunidade global, para descansar minha amada mãe. Em nossa dor, lembremo-nos e nos fortaleçamos na luz de seu exemplo.
 
Em nome de toda a minha família, só posso oferecer os mais sinceros agradecimentos por suas condolências e apoio. Eles significam mais para mim do que eu jamais poderia expressar.
 
E para minha querida mamãe, quando você começa sua última grande jornada para se juntar ao meu querido e falecido papai, eu quero simplesmente dizer isto: obrigado. Obrigado por seu amor e devoção à nossa família e à família das nações que você serviu tão diligentemente todos esses anos.
 
Que os voos dos anjos cantem para o seu descanso.
 
Quem é o rei Charles
 
Com a morte da rainha Elizabeth II, Charles automaticamente se tornou o novo rei do Reino Unido. Aos 73 anos, ele será o monarca mais velho a ser coroado na história britânica.
 
Charles já estava assumindo alguns dos compromissos da rainha este ano em virtude dos problemas de mobilidade da matriarca. Em maio, substituiu a mãe na abertura do Parlamento Britânico.
 
Nascido em 14 de novembro de 1948, Charles é o primogênito de Elizabeth e Philip, sendo o herdeiro aparente desde os três anos de idade, quando sua mãe assumiu o trono após a morte do rei George VI.
 
Quando completou 9 anos, foi nomeado Príncipe de Gales e Conde de Chester por sua mãe perante o Parlamento.
 
Ao se tornar o soberano, Charles tinha a opção de adotar qualquer nome que escolher para seu reinado. Ele escolheu ser chamado de rei Charles III.
 
Casamento com Diana
 
O então príncipe de Gales foi casado com a princesa Diana de 29 de julho de 1981 a 28 de agosto de 1996, quando o divórcio foi oficializado, mas o casal estava separado desde 9 de dezembro de 1992.
 
Em 1997, Diana morreu em um trágico acidente de carro, deixando dois filhos com Charles: William, agora o primeiro na linha sucessória ao trono, e Harry, que abdicou de suas funções de membro da realeza.
 
Atualmente, o rei é casado com Camilla Parker-Bowles, agora rainha consorte.
Direito ao esquecimento

Você assiste programa eleitoral na televisão?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS