LIBERTADA: Policiais de RO e Acre resgatam mulher que estava em cativeiro no Amazonas

Depois de duas matérias publicadas sobre o suposto desaparecimento de Ana Lúcia, a família começou a receber informações a respeito do paradeiro dela

LIBERTADA: Policiais de RO e Acre resgatam mulher que estava em cativeiro no Amazonas

Foto: Divulgação

Há 11 meses, a família de Ana Lúcia Souza da Silva, de 27 anos, vivia o drama de não ter notícias da jovem, mãe de quatro filhos, que vivia uma relação conturbada com o marido, chamado Pedro, com quem saiu do Acre, com destino a Rondônia, não dando mais sinal de vida desde um único contato feito com o pai, Sebastião, e uma irmã, Ceilde, após ter ido embora.
 
Foi Ceilde, que mora na zona rural de Epitaciolândia, quem entrou em contato com o jornal em maio deste ano pedindo ajuda para encontrar a irmã. Depois de duas matérias publicadas sobre o suposto desaparecimento de Ana Lúcia, a família começou a receber informações a respeito do paradeiro dela, que estaria no município de Lábrea, no Amazonas.
 
Por meio dessas informações, os familiares conseguiram manter contato com a moça por telefone e, assim, confirmar a sua localização e que ela estava sendo mantida no município amazonense. Em seguida, segundo relatou a irmã Ceilde, foi solicitada a ajuda da Polícia Civil de Xapuri, que manteve intercâmbio com a delegacia de Extrema (RO).
 
De Extrema, uma equipe de policiais acompanhou o pai de Ana Lúcia e mais um familiar até a zona rural de Lábrea, onde ela se encontrava com o marido e os quatro filhos, onde foi constatado que realmente ela estava sendo mantida nessa localidade contra a sua vontade, sendo em seguida resgatada e trazida de volta para Xapuri.
 
A reportagem, Ana Lúcia disse que saiu do Acre com o marido de livre e espontânea vontade, mas à medida em que ele começou a mudar de cidade e se distanciar muito do estado ela resolveu voltar, tendo sido impedida pelo companheiro, com quem ela afirma não ter mais vínculo. Ela relata que foi tomada por uma grande emoção quando avistou o pai chegando onde ela estava.
 
“Foi uma emoção muito grande quando vi ele chegando. Eu desabei porque já tinha lutado tanto para voltar para casa que cheguei a desistir. Estou muito feliz de estar de volta e já estou tomando as providências legais a respeito do que passei, inclusive já pedi medida protetiva contra ele (o marido). Agora, quero recomeçar a minha vida”, disse ela.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS