BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

MOTIVAÇÃO: Reconstrução mamária resgata autoconfiança de mulher mastectomizada

É preciso estabelecer em que momento deve ser feita, diz médico

AGÊNCIA BRASIL

02 de Outubro de 2020 às 14:34

Foto: Divulgação

 

AGÊNCIA BRASIL - A reconstrução mamária é a expectativa de todas as mulheres que fazem mastectomia (cirurgia para retirada parcial ou total da mama afetada por câncer), para resgatar a autoconfiança. Antes de tudo, porém, é preciso estabelecer em que momento essa reconstrução deve ser feita. “Se vai ser feita de imediato, no momento da mastectomia, ou tardiamente”, disse hoje (2) à Agência Brasil o cirurgião plástico Fernando Amato, membro titular da Sociedade Brasileira de Cirurgia Plástica (SBCP).

 
De imediato, a reconstrução pode ser efetuada diretamente com prótese de silicone, se houver preservação de pele. Amato explicou que, muitas vezes, quando ocorre a retirada de uma quantidade maior de pele, existe uma alternativa que é o uso de um expansor mamário, espécie de bexiga de silicone, colocado abaixo do músculo do peito. Nos retornos da paciente ao ambulatório pós procedimento cirúrgico, o expansor mamário vai sendo enchido com soro fisiológico, para ir esticando a pele e ganhando tecido.
 
Se não houver indicação para tratamento com radio ou quimioterapia, é programada para um momento mais conveniente a troca desse expansor por uma prótese de silicone. Fernando Amato salientou que existem também cirurgias que usam retalhos de gordura, pele, músculo de algum outro lugar do corpo para refazer a mama. “Um retalho muito utilizado é o grande dorsal, músculo que fica nas costas e é levado para a mama. A gente usa ele associado a uma prótese de silicone também. A prótese faz o formato e o volume e o retalho serve como uma cobertura para segurança da prótese”.
 
Abdome
 
Os cirurgiões usam também o retalho do músculo reto abdominal, chamado Tram, para a reconstrução da mama com tecido do abdome inferior (pele e gordura). “Nessa cirurgia, não se usa implante mamário, isto é, prótese de silicone”, advertiu o médico. Segundo ele, trata-se de uma microcirurgia complexa, em que é feito o autotransplante de tecido do abdome para a mama.
 
Na reconstrução tardia, pode ser usado enxerto de gordura para complementar o processo. Em mulheres que já foram submetidas à radioterapia, Amato disse que é muito difícil usar o expansor mamário para expandir a pele, porque a radioterapia deixa a mama mais dura. “A radioterapia pode interferir bastante no expansor”.
 
Há mastectomias que preservam pele e aréola, ou seja, o mamilo dos seios; outras, denominadas quadrantes, retiram apenas parte da mama. “Muitas vezes, esses quadrantes podem ser reconstituídos com tecido que a paciente já tem na mama, quando o tumor está em uma localização favorável”. Isso pode ser feito, inclusive, em uma mamoplastia (cirurgia para aumento ou redução das mamas humanas), disse o cirurgião.
 
Mamilo
 
Fernando Amato esclareceu que a reconstrução do mamilo é uma etapa posterior, que pode ser feita com retalhos de pele local para ter o relevo. Pode-se também tirar metade da aréola da outra mama e fazer enxerto no outro lado. É muito usada para reconstrução do bico dos seios a pele da parte interna da coxa e da região inguinal, conhecida popularmente como virilha.
 
O médico destacou, por outro lado, que muitas pacientes que não desejam se submeter a uma nova cirurgia têm optado pela reconstrução das aréolas por meio de tatuagem. “É uma alternativa”. Amato afirmou que o mamilo é muito importante e faz parte da reconstrução do seio para aumento da autoconfiança dessas mulheres.
 
A mastologista e membro da Sociedade Brasileira de Mastologia (SBM), Priscila Beatriz Oliveros dos Santos, ressaltou que a mamografia é essencial para o diagnóstico precoce do câncer de mama. “Por isso, não deixe de realizá-la, já que este exame pode diminuir a mortalidade em até 30%, quando feito periodicamente”, comentou.
 
Tatuagem
 
Entre 2020 e 2022, o Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) estima que serão diagnosticados mais de 66 mil novos casos de câncer de mama no Brasil, em cada ano, o que representa um risco em torno de 61,61 casos a cada 100 mil mulheres.
 
Apesar da pandemia do novo coronavírus, o tatuador Yurgan Barret e sua esposa Anne afirmam que a solidariedade não pode parar. Mulheres que passaram por mastectomia em função de câncer de mama terão a oportunidade de fazer gratuitamente, este mês, a reconstrução da aréola por meio de tatuagem hiper-realista na quinta edição do Y Rosa. O evento já atendeu mais de 100 mulheres no Rio de Janeiro e Santa Catarina, e acontece este ano entre os dias 19 e 25 de outubro no Yurgan Tattoo Studio, na Barra da Tijuca, zona oeste da capital fluminense.
 
O projeto social idealizado por Yurgan e Anne Barret busca reforçar a importância do diagnóstico precoce e atender mulheres que venceram o câncer de mama a ressignificarem suas dores e recuperarem a autoestima.
 
Segurança
 
“Participar do Y Rosa foi de muita importância. Fiz a reconstrução da aréola que, com certeza levantou minha autoestima, me deixou mais segura, confiante e bem mais feliz! Foi uma bênção na minha vida pois era algo que me incomodava muito.”, afirmou Zelia M. N. Souza.
 
Anne Barret disse que a realização do projeto a cada ano “foi a forma que encontramos de usar a nossa arte para um bem maior. Em 2018, recebemos o prêmio de Cidadania pelo Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro e isso nos deu ainda mais energia para continuar".
 
Além do redesenho de aréola por meio de tatuagem hiper-realista, o projeto vai oferecer, também gratuitamente, a tatuagem de sobrancelhas realistas pela técnica de micropigmentação fio-a-fio, palestras motivacionais e grupos de discussão online, além de sorteios para todas as inscritas.
 
O agendamento para a tatuagem de mamilos pode ser feito pelo site  ou pelo Instagram @yurgantattoo.
 
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS