BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

NA FAVELA: Grávida encontrada morta pode ter sido assassinada pelo tráfico, diz delegada

Outra linha de investigação aponta que pai da criança, que era casado, pode ter envolvimento com o crime

O DIA

11 de Setembro de 2020 às 09:40

Foto: Divulgação

A jovem grávida que foi encontrada morta na manhã desta quinta-feira na linha de trem em Deodoro, na Zona Norte do Rio, pode ter sido morta por traficantes da favela do Triângulo, segundo a delegada da Delegacia de Descoberta de Paradeiros (DDPA), Elen Souto, responsável pelo caso.
 
Thaysa Campos dos Santos, de 23 anos, estava grávida de oito meses e desapareceu na última quinta-feira. Segundo a delegada, a família da vítima ficou sabendo, na madrugada de quinta para sexta-feira, que ela estava com traficantes. Segundo as investigações, ela morreu em uma favela dominada pela facção Terceiro Comando Puro (TCP), mas também frequentava, por vezes, comunidades que tem a criminalidade controlada pelos rivais do Comando Vermelho (CV).
 
"Essa atitude de frequentar comunidades controladas por facções rivais, pode ser interpretado por traficantes como informante, X9. E a gente sabe que essa desconfiança pode ser uma grande motivação para que esses criminosos cometam homicídios", explicou a delegada Elen Souto. 
 
Outra linha de investigação apurada pela DDPA é de que o pai da bebê e a esposa dele possam ter algum envolvimento com o assassinato de Thaysa. A Polícia Civil tem informações de que o casal também tinha conhecidos na comunidade do Triângulo. "O pai da criança era casado e nós sabemos que a mulher dele já havia dito categoricamente que essa criança não nasceria", contou a delegada. 
 
A delegacia especializada ainda apura uma terceira hipótese, de que ela possa ter sido morta por conta de uma discussão com a esposa de um miliciano, duas semanas antes de seu desaparecimento. Na ocasião, a mulher teria chegado a agredir a jovem grávida. 
 
Thaysa já estava na reta final da gravidez e foi morta na quinta-feira, após ir na favela para pegar uma bolsa de maternidade. "Pode ter sido uma emboscada", afirmou a delegada. "O chá de bebê seria no domingo. Apesar de se mãe solteira, ela queria essa criança. O enxoval e lembrancinhas da bebê já estavam prontos. A pessoa que matou ela tem plena consciência de que estava matando duas vidas", finalizou Elen Souto.
 
Por conta do estado avançado de decomposição do corpo, a perícia da Polícia Civil não pode afirmar qual foi a causa da morte da jovem. No entanto, foi constatado que Thaysa não tinha sinais de aborto. 
 
A Secretaria de Estado de Vitimados (SEVIT) informa que ofereceu atendimento psicológico e social para a família de Thaysa Campos. A equipe psicossocial conversou com a família da jovem grávida e vai acompanhar o caso.
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS