BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

RAPIDEZ: Teste de 'bafômetro' detecta o novo coronavírus em 30 segundos

O método lembra os testes de alcoolemia (bafômetro), com a diferença de que é preciso expirar pelo nariz

CORREIO BRAZILIENSE

25 de Julho de 2020 às 10:13

Foto: Divulgação

 

CORREIO BRAZILIENSE - Um teste desenvolvido por israelenses é capaz de detectar a covid-19 em apenas 30 segundos. Segundo os criadores, a agilidade se dá porque a análise é feita por meio de odores. A empresa responsável pela tecnologia, a NanoScent, é uma startup especializada nesse tipo de análise. O método lembra os testes de alcoolemia (bafômetro), com a diferença de que é preciso expirar pelo nariz, e não pela boca, em um tubo posicionado em uma das narinas.
 
O tubo é então conectado a um pequeno dispositivo — que, por sua vez, é conectado a um telefone celular, responsável por informar se há ou não infecção. Durante o desenvolvimento da técnica, a empresa analisou a respiração de milhares de israelenses contaminados e identificou os odores específicos daqueles que haviam sido infectados pelo Sars-CoV-2. As informações ajudaram a alimentar o algoritmo que estrutura a tecnologia.
 
Testes em curso em Israel têm resultados com cerca de 85% de precisão. Também há experimentos em um projeto-piloto na Europa, segundo Oren Gavriely, da NanoScent. “Você pode detectar quem ou quem pode estar contaminado pelo vírus”, afirma em entrevista, à agência France-Presse de notícias (AFP).
 
Segundo a NanoScent, esse teste olfativo não deve substituir os laboratoriais. Isso porque ele permitirá determinar a presença do novo coronavírus, não a de anticorpos. Dessa forma, o objetivo é poder usá-lo na entrada de salas de espetáculos, estádios, hospitais ou aeroportos. Se o resultado for positivo, as pessoas devem ser submetidos a um exame mais detalhados. Também são vantagens, segundo os criadores, o preço baixo e a possibilidade de detecção em massa. “Isso pode ajudar a recuperar uma sensação de segurança e retomar uma vida normal”, afirma Gavriely.
 
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS