AMAZÔNIA: Maior encontro de degustadores de café foi realizado em Cacoal

O evento reuniu mais de 200 degustadores, pesquisadores, produtores, especialistas, empresários e amantes do café na Indicação Geográfica Matas de Rondônia

AMAZÔNIA: Maior encontro de degustadores de café foi realizado em Cacoal

Foto: Divulgação

O 1° Encontro Brasileiro de Degustadores de Cafés é um evento inédito e foi realizado de 6 a 10 de junho no município de Cacoal - RO, conhecido como a “Capital do Café na Amazônia”.
 
A cidade está incrustada numa região conhecida como “Matas de Rondônia”, que é o centro de origem dos Robustas Amazônicos. Esta região possui uma das cafeiculturas mais emblemáticas do Brasil e detém o título de primeira Indicação Geográfica, do tipo Denominação de Origem para cafés canéforas (robusta e conilon) sustentáveis do mundo.
 
“Este evento foi um divisor de águas para a cafeicultura brasileira. Conseguiu reunir um público muito diverso que atua com café, desde pesquisadores, mestres de torra, baristas, produtores, empresários e quem ama café para tratar de assuntos muito relevantes e que, certamente, se insere no calendário anual da cafeicultura. E, principalmente, muda a mentalidade quanto aos cafés canéforas, provamos cafés excepcionais aqui!”, aponta o cafeólogo e empresário Edgard Bressani.
 
A abertura do evento foi realizada pela jornalista e especialista em conteúdo de café Mariana Proença. Foram cinco dias intensos de atividades e experiências sensoriais.
 
O encontro reuniu mais de 200 participantes, tanto do Brasil como também da Colômbia, Espanha e Chile. Contou com palestras de pesquisadores renomados, mesas redondas, degustações, oficinas e um ambiente rico que tratou da produção de cafés de qualidade, arábica e canéfora (robusta e conilon) e seus protocolos de degustação.
 
Além disso, proporcionou visitas aos produtores de cafés de Cacoal que são modelo em qualidade e sustentabilidade, incluindo também visita a uma aldeia indígena que faz parte do projeto Tribos, do grupo 3Corações e parceiros, que promove a produção de cafés com qualidade, protagonismo indígena e proteção à floresta entre outras atividades.
 
Para o pesquisador da Embrapa Rondônia, Enrique Alves, o evento foi um ponto de inflexão para a cafeicultura nacional, que veio da necessidade de unificar a linguagem da cadeia de produção e transformação de cafés. Um momento de valorização da diversidade cultural, ambiental e genética dos cafés brasileiros, que passa pelo uso de tecnologias de produção, processamento e, principalmente, pelos protocolos de degustação.
 
“A cafeicultura que desconhece as características que produz, não sabe o valor que tem”, diz o pesquisador, que destaca a integração e a união de forças em prol da cafeicultura brasileira como ponto forte do evento.
Direito ao esquecimento

Você acredita que candidatos evangélicos são realmente ungidos de Deus ou são “ungidos” do pastor?

* O resultado da enquete não tem caráter científico, é apenas uma pesquisa de opinião pública!

MAIS NOTÍCIAS

Por Editoria

PRIMEIRA PÁGINA

ROVIVO TV

DESTAQUES EMPRESARIAIS

PUBLICAÇÕES LEGAIS

COLUNAS