BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

SEBRAE: Webinar do Agro Brasileiro alcança 1,5 mil visualizações ao vivo

Sebrae com seu âncora Daniel Pereira apresentou Paulo Renato Herrmann

ASSESSORIA

04 de Junho de 2020 às 14:43

Foto: Divulgação

 
Na noite desta quarta-feira (3), o presidente da John Deere do Brasil, Paulo Renato Herrmann, superou as expectativas dos participantes do webinar Agro Brasileiro: Potencial, Desafios e Oportunidades. O diretor superintendente do Sebrae em Rondônia, Daniel Pereira, fez a abertura com especial agradecimento às instituições de ensino que mobilizaram seus acadêmicos e alunos para participar do evento, em especial à Unesc que teve a iniciativa de compilar e selecionar as perguntas dirigidas aos convidados do evento: Marcelo Thomé presidente da Fiero, Hélio Dias presidente do Conselho Deliberativo Estadual do Sebrae e da Faperon, Evandro Padovani Secretário de Estado da Agricultura e ao protagonista Paulo Herrmann. Os presidentes da Faperon e da Fiero deram as boas vindas com as informações sobre Rondônia, da mesma forma o secretário Padovani, que demonstrou o potencial do agronegócio com detalhes que impressionaram o palestrante.
 
Como mediador, Daniel Pereira agradeceu, deu início à apresentação do empresário e destacou que no Brasil ele representa uma empresa que fabrica implementos agrícolas desde a guerra civil americana, que nasceu pequena, cresceu e hoje tem a dimensão de uma grande fabricante de tratores. Daniel começou perguntando o que fazer agora. Paulo Herrmann agradeceu a oportunidade de falar aos rondonienses e disse que nesta época o empresário do Agro deve em primeiro lugar trabalhar e olhar para a frente, em segundo usar a inovação, em terceiro garantir a qualidade do que ele produz e em quarto lugar valorizar a ética, virtude que por muito tempo tem sido pouco praticada pelos que comandam determinadas posições.
 
O palestrante falou que com todas as dificuldades o Agro cresceu e adquiriu a importância que tem hoje graças a articulação, que suas lideranças empresariais permitiram levá-lo de subsistema que produzia pouco ao sucesso, antes importávamos alimentos hoje exportamos. Depois fez um histórico das articulações que levaram o governo a dar ênfase ao Plano Safra que beneficiou os produtores com crédito para o meio rural, falou da importância da Embrapa que em 1972 deu início a implantação de  cultivares que foram resultantes de dedicadas pesquisas por especialistas brasileiros e falou ainda da semana Jurídica no Campo. Aos jovens estudantes ele aconselhou que não tem momento melhor para se engajar no agro, perguntou ao secretário Padovani qual a idade média do produtor rural de Rondônia e este disse que é de 55 anos. Paulo falou que aí estava a oportunidade, vez que nos Estados Unidos essa média é de 58 anos e no Brasil é de 45 e devemos observar a tendência do estado de Mato Grosso onde a média é 36 anos.
 
Daniel, diretor do Sebrae, observou que o Brasil é o celeiro do mundo, mas que podemos verificar que apesar de produzirmos um dos melhores cafés, a Alemanha que não produz, é o país que mais ganha dinheiro com o café.
 
A partir daí Paulo deu uma aula de excelência, sugeriu que as embaixadas brasileiras deveriam ter um adido do Agro para orientar sobre a nossa potencialidade e assumirmos o melhor lugar da agricultura e da energia renovável.
 
Padovani aproveitou e argumentou que Rondônia precisa de infraestrutura. Paulo respondeu que precisamos de planejamento estratégico para o país com visão para os próximos 50 anos, para aprender com o novo e não repetir os erros do passado, é necessário redução de perdas olhando para as oportunidades com giro de ativos, porque o que é resíduo para um, é possível que seja insumo para outro produto.
 
O palestrante falou que temos sol durante 12 meses no ano, coisa que países da Europa não têm e que precisamos olhar para outros cenários onde há dinheiro, como o Oriente Médio, onde os preços do petróleo baixaram e eles precisam investir em outra fonte de recursos, olhar para Ásia, mas fazê-los entender que queremos preços justos. Produzir e estabelecer relações mais duradoras com garantia de compra por termos produtos full quality (qualidade total), full safety (segurança total). Sugeriu que quando o isolamento terminar, a iniciativa privada junto com o governo procurem novas fontes de recursos, porque não vai adiantar ir a Brasília, o governo federal não terá dinheiro depois dessa situação, mas que possamos ir para Ásia, ou Oriente Médio, disse ainda que iria junto para mostrar nosso potencial de Rondônia.
 
Daniel fez perguntas selecionadas pela Unesc que foram respondidas, dentre elas, como as empresas devem se preparar para o Pós-Covid? A resposta foi dada em três itens: 1) Vendam e façam caixa; 2) Paguem as contas, preservem seus créditos e 3) Se sobrar dinheiro invistam no Agro!
 
Depois dos agradecimentos, Daniel Pereira comentou que estiveram nas visualizações os alunos de 24 diferentes cursos e ao vivo foram mais de 1.500 participantes. Paulo Herrmann observou que as lives permitem consultas posteriores, que nos ajudam a ver onde erramos, mas também aumentam o alcance das informações, agradeceu a todos pela oportunidade e disse que nesta época precisamos de solidariedade, de dar as mãos!
 
Não deixe de buscar orientações sobre como reagir diante deste cenário de pandemia. O Sebrae em Rondônia pode atendê-lo também remotamente. Acesse nosso portal de atendimento em www.sebrae.ro. Ligue para nossa Central de Relacionamento 0800 570 0800, acesse nosso portal de ensino à distância www.sebrae.com.br/cursosonline  ou siga o Sebrae em Rondônia nas redes sociais (@sebraero).
Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS