BOLETIM CORONAVÍRUS - CLIQUE AQUI E FIQUE ATUALIZADO

Fazendo por merecer - Por Valdemir Caldas

Por Valdemir Caldas

15 de Fevereiro de 2021 às 14:42

 

A população rondoniense (senão toda, mas, com certeza, parcela significativa dela) está com os olhos voltados para o suntuoso prédio da Assembleia Legislativa de Rondônia à espera de uma resposta sobre o episódio envolvendo um dos membros daquela Casa flagrado em vídeo pela competente Polícia Federal colocando maços de dinheiro dentro de uma sacola de lixo.

 

Um processo teria sido instaurado na Comissão de Ética para apurar o caso, mas parece que a coisa emperrou. Será que vem aí mais uma pizza gigante?

 

Não é por demais repetir, contudo, que os cidadãos que lá estão foram eleitos pelo povo. Ninguém caiu do Céu. E que isso é o resultado das escolhas politicas que fazemos. A sabedoria popular ensina que cada povo tem os políticos que merece. Temos os políticos que merecemos porque somos os eleitores que somos. Não adianta apontar o dedo somente na direção do acusado.

 

Ele não pode ser responsabilizado pelos mais de 20 mil votos (foi isso?) que recebeu na eleição de 2018. Ele era apenas mais um candidato, entre dezenas de outros, vendendo seu tubarão disfarçado de jaraqui. Quem o colocou na ALE-RO, repita-se, foi o povo. O mesmo povo que parece fingir que não está acontecendo nada. E, o que é pior, há, inclusive, quem o considere vítima. É mole?

 

No Brasil, sucessivas consultas à opinião pública têm revelado o conceito atribuído aos agentes políticos, em todos os níveis. Em 2020, um levantamento garantiu a Policia Federal o primeiro lugar entre as instituições mais confiáveis pelos brasileiros. Em seguida vieram as Igrejas e as Forças Armadas. Os órgãos de comunicação, igualmente, desfrutam posição confortável junto à sociedade.

 

A taxa de desconfiança nos partidos políticos superou os 70%. Quando instituições de representação popular caem em desgraça, logo se estará construindo ambiente propicio às mais desastradas condutas. Que a ALE-RO pense seriamente sobre isso antes de tentar empurrar com a barriga problema de tamanha gravidade, achando que todo mundo é idiota.

Direito ao esquecimento

MAIS NOTÍCIAS